Em busca dos benefícios de grandes projetos nos municípios sede: o caso de São João da Barra

















Um indicador importante para medir a absorção interna das externalidades positivas dos grandes projetos, poderia ser o número de empresas constituídas no período equivalente. Na busca de um melhor entendimento sobre o caso de São João da Barra, sede do porto do Açu e produtor de petróleo, levantamos o número de constituição de empresas no período entre 2006 a 2016. Para auxiliar a análise, comparamos a mesma movimentação com São Francisco de Itabapoana e Santo Antonio de Pádua. Os dois municípios não receberam grandes investimentos no padrão de São João da Barra e não são produtores de petróleo.  
Como podemos observar na imagem acima, São João da Barra superou São Francisco na constituição de empresas no período entre 2010 a 2015, porém as diferenças foram pequenas, considerando a movimentação de riqueza em cada município.  Nos outros anos, praticamente não existiram diferenças.
Já na comparação com Santo Antônio de Pádua, é nítida a sua superioridade em relação a São João da Barra, fato que levanta dúvidas sobre os benefícios desses grandes projetos ancorados em municípios frágeis economicamente.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como um discurso descuidado induz a erros grosseiros!

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra