Postagens

Mostrando postagens de 2017

emprego no estado do Rio de Janeiro em julho

Imagem
O estado do Rio de Janeiro apresentou o pior resultado do país, na geração de emprego no mês de julho. O estado eliminou 9.320 empregos no mês e eliminou 75.682 empregos no ano. O setor de serviços eliminou 31.180 vagas, o comércio eliminou 23.291 e a construção civil eliminou 11.718 vagas no período. Somente o setor agropecuário gerou saldo positivo de 2.380 novas vagas no ano.
No período acumulado de janeiro a julho, o país gerou 112.580 no vagas de trabalho e a região sudeste gerou 83.358 novas vagas. Na composição da região, São Paulo liderou com 86.049 novas vagas, Minas Gerais gerou 68.454 no vagas vagas, Espirito Santo gerou 3.615 novas vagas e o estado do Rio de Janeiro fechou o período com a eliminação de 75.682 vagas de emprego.

Emprego em julho na região Norte Fluminense

Imagem
A movimentação do emprego formal na região Norte Fluminense piorou em julho, comparativamente a junho. Foram eliminadas 4.413 vagas com forte participação de Macaé eliminando 4.375 vagas no mês. No acumulado de janeiro a julho, a região eliminou 6.440 vagas. Macaé eliminou 8.205 vagas, sendo 5.217 na construção civil, 1.379 no setor de serviços, 826 no setor extrativa mineral, 588 vagas no comércio e 211 vagas na industria de transformação. O único setor a gerar saldo positivo de emprego foi o setor agropecuário com a criação de 18 novas vagas de emprego no período.   Já Campos dos Goytacazes gerou 1.696 novas vagas no período de janeiro a julho. O setor agropecuário exerce franca liderança com a geração de 2.388 vagas, a indústria de transformação gerou 566 novas vagas e o setor de serviços gerou 205 novas vagas no mesmo período. Inversamente, o setor de construção civil eliminou 788 empregos, o comércio eliminou 706 empregos e o setor extrativa mineral eliminou 29 novas vagas no mesm…

Evolução percentual da conta de pessoal e encargos em relação as receitas correntes no estado do Rio de Janeiro em 2017

Imagem
O que o governo do estado arrumou com a conta de pessoal? A participação percentual do valor acumulado no primeiro semestre deste ano foi de 73,7% das receitas correntes realizadas.  Observem que o percentual no mesmo período de 2016 foi de 43,32%.  O valor absoluto da conta de salários e encargos no primeiro semestre de 2017 foi maior 97,2% do que o valor registrado no mesmo período do ano passado. O governo precisa explicar a origem do crescimento dos salários neste ano.

Execução orçamentária do estado do Rio de Janeiro no primeiro semestre de 2017

Imagem
A execução orçamentária do estado do Rio de Janeiro apresentou um déficit de 5,24% no primeiro semestre deste ano. A execução das despesas orçamentárias é problemática, já que a realização das receitas correntes e tributárias extrapolaram a meta de 50% e as transferências ficaram um pouco abaixo. Já a execução das despesas ficaram bem abaixo da média, enquanto o seu valor absoluto superou o das receitas realizadas. A despesa com pessoal atingiu somente 44,88% do previsto e o investimento 3,76% das receitas correntes realizadas, o que define a perda total de capacidade de investimento do estado. Na análise vertical, observamos que as despesas de salários e encargos liquidadas consumiram 73,78% das receitas correntes realizadas no semestre.  Segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal, no âmbito do estado as despesas com pessoal e encargos não podem extrapolar 60% das receitas liquidas. As outras despesas correntes consumiram o equivalente a 25,74% das receitas correntes realizadas, enquanto …

Execução orçamentária em Campos dos Goytacazes em 2017

Imagem
A execução orçamentária no município de Campos dos Goytacazes,  no primeiro semestre de 2017, observou um certo equilíbrio entre o valor prevista e o realizado das receitas tributárias em torno de 51,35% e um valor realizado aquém do previsto das transferências correntes em 37,69%. A crise econômica nacional e fluminense e a redução das rendas de petróleo tem reflexos importantes no valor das transferências constitucionais. No grupo das despesas, entretanto, a situação é muito preocupante. A execução do semestre já apresenta um déficit orçamentário da ordem de 3,2% e a conta de pessoal e encargos liquidou o equivalente 59,93% do previsto. O equilíbrio deveria ficar em torno dos 50%. No confronto com as receitas correntes realizadas, a despesa de pessoal consumiu o equivalente a 61% no período analisado. Em 2016 a mesma despesa consumiu 61% no período de janeiro a dezembro. Quanto a despesa de investimento, o quadro é dramático. O município perdeu toda a capacidade de investir, o que com…

Balança Comercial do Brasil em julho

Imagem
A Balança Comercial do Brasil gerou um saldo superavitário  de US$6.298 milhões em julho, resultado de exportações no valor de US$18.769 milhões e importações de US$12.471 milhões. Em comparação com o mesmo mês do ano anterior, o saldo superavitário cresceu 37,6% . No acumulado de janeiro a julho,  o saldo superavitário contabilizado somou US$42.514 milhões, resultado de exportações no valor de US$126.479 milhões e importações de US$83.965 milhões. Comparado com o mesmo período do ano passado, foi observado um crescimento de 50,6% neste ano. As exportações cresceram 18,7%, as importações cresceram 7,2% no acumulado de janeiro a julho deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado.

Exportação de petróleo em julho

Imagem
A exportação de petróleo em tonelada caiu 13,1% em julho, com base em junho. A receita em dólar caiu 21,0% e o preço caiu 9,1% no mesmo período. Na comparação com julho de 2016, foi observado um crescimento de 64,8% no volume em tonelada, crescimento de 72% na receita em dólar e crescimento de 4,4% no preço por tonelada.
O gráfico apresenta a trajetória dos preços por tonelada nos meses de janeiro a julho nos anos de 2016 e 2017. Podemos observar uma boa recuperação do preço em 2016, a partir de março. Em janeiro de 2017 o preço apresentou uma melhor valorização, entretanto manteve praticamente o mesmo patamar até junho, com queda em julho. A forte oferta de petróleo e falta de dinâmica na economia mundial dificulta a valorização do preço do petróleo.

Exportação de minério de ferro em julho

Imagem
A exportação de minério de ferro em tonelada caiu 7,3% em julho, com base em junho. A receita em dólar caiu 13,7% e o preço caiu 6,9% no mesmo período.  Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o volume em tonelada embarcado cresceu 3,5%, a receita em dólar cresceu 18,2% e o preço por tonelada cresceu 14,3% no mesmo período.
O gráfico mostra a trajetória do preço por tonelada para o mês de julho no anos de 2012 a 2017. Podemos observar a queda acentuada no período de 2012 a 2015, assim como a dificuldade de recuperação do preço nos anos seguintes. A pouca dinâmica da econômica mundial tem dificultado a recuperação do preço do minério de ferro.

Exportação de açúcar em bruto em julho

Imagem
A exportação de açúcar em tonelada caiu 17,1% em julho com relação ao mês anterior. A receita em dólar caiu 21,4% em função da queda de 5,2% no preço por tonelada, no mesmo período. Em relação ao mesmo mês do ano anterior, foi observado uma queda de 10,9% no volume exportado, uma queda de 2,4% na receita em dólar e um crescimento de 9,5% no preço por tonelada.
O gráfico apresenta a trajetória do preço médio em tonelada praticado no mês de julho no anos de 2012 a 2017.  Podemos observar uma trajetória de recuperação, ainda lenta, do preço em tonelada do açúcar nos anos de 2016 e 2017, depois da queda acentuada no triênio 2013-2015.

Crédito para pequenas empresas, uma boa agenda!

http://g1.globo.com/economia/noticia/bndes-oferecera-r-15-bilhoes-em-credito-para-pequenas-empresas-diz-ministro.ghtml

Facilitar a interação entre pequenas empresas e o BNDES é fundamental para o incremento dos negócios, emprego e renda.

A real situação dos Royalties de petróleo na região Norte Fluminense

Imagem
A região Norte Fluminense recebeu R$461,5 milhões de royalties de petróleo no primeiro semestre de 2017. Macaé ficou com a maior participação de 41,6%, seguido por Campos dos Goytacazes com 37,8% e São João da Barra com 8,9% do total.  Em relação a arrecadação do estado do Rio de Janeiro, a região ficou com 34,1% e em relação ao total distribuído a todos os municípios do país, a participação foi de 17,9%. O gráfico mostra a evolução da participação percentual da arrecadação de royalties do primeiro semestreda região norte Fluminense em relação ao estado e o pais. Podemos observar uma trajetória de forte declínio no período de 2014 a 2017. Em 2014 a participação da receita da região no estado era 41,54%, caindo para 38,34% em 2015, caindo para 36,28% em 2016 e 34,14% em 2017. Em relação ao total distribuído aos municípios do país, a participação da região que era de 22,67% em 2014, caiu para 20,48% em 2015, 18,73% em 2016 e 17,96% em 2017. É evidente a perda relativa da região Norte Flumine…

Saldo do emprego formal no país no período de janeiro a junho de 2017

Imagem
O gráfico mostra o saldo de emprego formal no primeiro semestre deste ano. O estado do Rio de Janeiro foi o único a eliminar vagas de trabalho na região sudeste. Foram eliminados 65.582 empregos no primeiro semestre. Minas Gerais foi o destaque na região com 65.702 novos empregos, seguido por São Paulo com 61.873 empregos e Espírito Santo com geração de 5.421 novas vagas de emprego no semestre. No país foram criados 67.350 novas vagas de emprego no mesmo período, resultado bem diferente do saldo negativo de -549.543 vagas eliminadas no primeiro semestre de 2016.

Emprego em junho na região Norte Fluminense

Imagem
A movimentação do emprego formal voltou a piorar em junho, na região Norte Fluminense. Foram eliminadas 41 vagas no mês, com destaque negativo para Macaé que eliminou 448 empregos e destaque positivo para Campos e São Francisco de Itabapoana, com criação de 291 vagas e 124 vagas, consecutivamente. A safra da cana-de-açúcar e o funcionamento da cadeia açucareira são responsáveis pelo saldo de emprego positivo nesses municípios. No acumulado do semestre, o resultado ficou abaixo do período imediatamente anterior. Foram eliminados 2.027 empregos no semestre, resultado melhor do que os 9.232 empregos eliminados no primeiro semestre do ano passado.  No primeiro semestre deste ano, Macaé eliminou 3.830 vagas de emprego, enquanto Campos gerou um saldo positivo de 1.655 novas vagas, em função da força do setor agropecuário que respondeu com a criação de 2.273 novas vagas de emprego. Outros resultados positivos ficaram por conta de São Francisco de Itabapoana com a criação de 136 novas vagas no s…

O gargalo energético no estado do Rio de Janeiro

Pesquisa da Firjan mostra o importante gargalo energético no estado do Rio de Janeiro e, fundamentalmente, na região Norte Fluminense. Esta mesma região, beneficiária de projetos relevantes nos setores de petróleo e infraestrutura portuária, amargou uma condição de piora em termos de qualidade de energia no período entre 2011 e 2016. O DEC (Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora) passou de 25,81 horas para 28,73 horas, um aumento de 11,5%. Já o FEC (Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora) passou de 13,41 vezes para 12,86, redução de 4,0%. 
Enfim, a constatação e reconhecimento de um grave problema que inviabiliza o crescimento da atividade industrial no estado e na região. 
http://www.firjan.com.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=2C908A8F5CF698C4015D147681270CCD&inline=1

Resultado da Balança Comercial em junho de 2017

Imagem
O saldo da Balança Comercial brasileira apresentou superavit de US$7.195 milhões em junho de 2017. As exportações somaram US$19.788 milhões e as importações US$12.593 milhões. No acumulado do semestre, o superávit foi de US$36.219 milhões, resultado de exportações no valor de US$107.714 milhões e importações no valor de US$71.495 milhões. Comparativamente a junho de 2016, foi registrado um crescimento de 81,3% no superávit de junho de 2017 e no acumulado de janeiro a junho, foi registrado um crescimento de 53,1%. As exportações cresceram 19,3% e as importações cresceram 7,3% no primeiro semestre de 2017 em relação ao mesmo período do ano anterior.

Exportação de Petróleo Bruto em junho de 2017

Imagem
A exportação de Petróleo Bruto cresceu 75,5% no volume embarcado e 82,2% em dólar no mês de junho, com base em maio de 2017. O preço em US$/tonelada cresceu 3,8% no mesmo período. Comparativamente ao mesmo mês do ano passado, observamos um crescimento de 67% no volume embarcado e 104,4% em dólar em decorrência da valorização de 22,4% no preço, no mesmo período.
 A figura apresenta a evolução dos preços no mês de junho para os anos anos 2016 e 2017. Podemos observar uma boa recuperação neste ano.

Exportação de Minério de Ferro em junho de 2017

Imagem
A exportação de minério de ferro caiu 3,8%  em volume e 17,3% em dólar no mês de junho, com base em maio deste ano. O preço de exportação caiu 14% no mesmo período. Comparativamente ao mesmo mês do ano passado, observamos um crescimento de 16,4% no volume embarcado e 26,2% em dólar, em função da valorização do preço por tonelada de 8,3% no mesmo período.
A figura apresenta a trajetória dos preços de exportação praticados para o mês de junho, no período de 2012 a 2017. Observa-se uma recuperação, mesmo que ainda lenta, nos dois últimos anos.

Exportação de Açúcar em Bruto em junho de 2017

Imagem
A exportação de açúcar em bruto cresceu 32,6% em tonelada e 30% na receita em dólar no mês de junho, com base em maio. O preço por tonelada caiu 1,9% no mesmo período. Na comparação com junho de 2016, o volume em tonelada embarcado cresceu 13,4% e a receita em dólar cresceu 39,7% em decorrência na valorização do preço por tonelada que cresceu 23,2% no mesmo período.
A figura apresenta a trajetória dos preços de exportação do açúcar para o mês de junho, no período de 2012 a 2017. Nos últimos dois anos podemos observar uma boa recuperação dos preços praticados.

Emprego Formal em maio na região Norte Fluminense

Imagem
O emprego formal avançou em maio na região Norte Fluminense. Foram criadas 1073 novas vagas, processo liderado por Campos dos Goytacazes com geração de 1.461 vagas no mês, seguido por São Francisco de Itabapoana com geração de 146 novas vagas. Claramente sobressai a cadeia açucareira que está em operação. Contrariamente, Macaé eliminou o maior número de vagas no mês. Foram 465 empregos eliminados em maio e 3.382 vagas eliminadas no acumulado, em função da crise no setor petrolífero. Na avaliação setorial para o período de janeiro a maio,  Campos dos Goytacazes gerou 1.973 novas vagas no setor agropecuário, e 522 vagas na indústria de transformação. Já os setores extrativa mineral, construção civil, comércio e serviços, eliminaram 23 vagas, 478 vagas, 507 vagas e 210 vagas sucessivamente. Macaé criou 9 vagas no setor agropecuário e eliminou 678 vagas no setor extrativa mineral, 124 vagas na indústria de transformação, 942 vagas na construção civil, 586 vagas no comércio e 1.055 no setor …

Livro Economia Norte Fluminense

Imagem
Meus amigos, estou disponibilizando o link para baixar o livro Economia Norte Fluminense - 3ª edição de 2014.
Aproveitem a leitura, abraços!

http://www.centersat.com.br/terceira_edicao_completa.pdf

O complexo caminho para o desenvolvimento ....

Imagem
Parece que estamos conseguindo dar um passo adiante. Lideranças de organizações importantes, como Firjan, Sebrae, o próprio governo de Campos dos Goytacazes, dentre outros, já reconhecem que erramos ao nos acomodarmos aos grandes projetos de base em recursos naturais e, portanto, é preciso olhar para as atividades tradicionais. Como diz o meu amigo Ranulfo Vidigal, bingo.... Entretanto, meus amigos, o outro passo é muito mais complicado ainda. Trata-se de COMO materializar essa nova visão. Somente o discurso não adianta muito. O como, depende de rígidas mudanças na estrutura do "DNA" local cultural. Estou falando de mudanças de comportamento, reconstrução das bases do capital social. Trata-se de questões sociológicas, antropológicas, que vão amparar questões econômicas importantes do desenvolvimento.
O esforço de mudança deve continuar.....

Observações sobre o fórum de desenvolvimento regional realizado em Campos dos Goytacazes

O fórum de desenvolvimento regional promovido pela rede Record de televisão em Campos dos Goytacazes, cumpriu seu papel no sentido de aglutinar lideranças e promover um espaço para o debate técnico em busca de alternativas para os graves problemas vividos pelos municípios da região. O que ouvi e vi ajudou a fortalecer a minha tese sobre os problemas socioeconômicos da região.
Da fala do jurista Luiz Flávio Gomes sobre ética na política, pude comprovar alguns comportamentos nada éticos. Como exemplos, o uso do evento para publicidade pessoal de alguns políticos e o total desprezo dos mesmos em relação a temas tão importantes para a sociedade.
As falas do superintendente do IBAM sobre gestão municipal e da coordenadora no mesmo órgão sobre responsabilidade ambiental e de total interesse dos gestores públicos, não foram aproveitadas, em função da ausência dos mesmos gestores.
A minha singela palestra sobre os grandes investimentos de base em recursos naturais na região e o paradoxo do apr…

DIVULGAÇÃO

Imagem

A trajetória econômica dos anos 2000 em Campos dos Goytacazes é inibidora do desenvolvimento

Imagem
Se a produtividade é o determinante mais importante para o crescimento de longo prazo e padrões de vida crescente, como diz o presidente do Fórum de desenvolvimento mundial Klaus Schwab, o município de Campos dos Goytacazes precisa ser reconstruído, tanto no contexto da gestão pública, quanto na mudança de comportamento das lideranças não governamentais.
A variação média da produtividade do trabalho, no período de 2002 a 2015, foi negativa em -1,7% ao ano, enquanto a análise estatística de regressão composta, com vista a entender o seu relacionamento com outras variáveis independentes, acentuaram os seguintes pontos:
(i) enquanto cresce as receitas correntes, declina a produtividade no trabalho; (ii) enquanto cresce o investimento público, declina a produtividade do trabalho;   (iii) enquanto cresce o crédito, declina a produtividade do trabalho; (iv) variações na mesma direção foram identificadas na relação transferências correntes e receitas tributárias.
As transferências correntes explic…

A Balança Comercial brasileira contabiliza superavit comercial em maio de 2017

Imagem
A Balança Comercial brasileira apresentou um saldo superavitário de US$7.661 milhões em maio. As exportações somaram US$ 19.792 milhões e as importações US$12.131 milhões. No acumulado de janeiro a maio, o superávito somou US$29.032 milhões, resultado de exportações no valor de US$87.932 milhões menos importações no valor de US$58.900 milhões.  Comparando maio de 2017 com maio de 2016, verificamos um crescimento do saldo superavitário de 19,1% e um crescimento de 47,5% no saldo acumulado de janeiro a maio.  No período acumulado de janeiro a maio de 2017, observamos um crescimento das exportações de 16,4% e um crescimento de 9,4% nas importações, comparativamente ao mesmo período de 2106. As exportações de bens e serviços tiveram uma contribuição efetiva nesse inicio de recuperação do PIB no primeiro trimestre de 2017, com um incremento de 4,8% enquanto as importações de bens serviços contribuíram com um crescimento de 1,8% em relação ao último trimestre de 2016.

Exportação de Petróleo em Bruto em maio de 2017

Imagem
A exportação de petróleo em bruto em tonelada cresceu 11,6% em maio, com relação a abril. A receita em dólar cresceu 8,3% e o preço por tonelada caiu 2,8% no mesmo período. Comparativamente a maio de 2016, a exportação em tonelada cresceu 50,3% a receita em dólar cresceu 103,5% e preço em tonelada cresceu 35,3% no mesmo período.  Apesar da valorização do preço do petróleo em 2017, em comparação a 2016, nos últimos três meses podemos observar uma trajetória de queda.

Exportação de Minério de Ferro em maio de 2017

Imagem
A exportação de minério de ferro, em tonelada, cresceu 46,0% em maio, com relação a abril. A receita em dólar cresceu 1,8% enquanto o preço por tonelada caiu 30,4% no mesmo período. Na comparação com mesmo mês do ano passado, o volume exportado em tonelada cresceu 3,3% a receita em dólar cresceu 23,1% e o preço por tonelada cresceu 19,0% no mesmo período.
O gráfico mostra a trajetória do preço do minério de ferro no mês de maio, nos anos 2012 a 2017. Podemos observar que depois do ponto mais crítico em maio de 2015, o preço vem se recuperando, ainda bem lentamente.

Exportação de Açúcar em Bruto em maio de 2017

Imagem
A exportação de açúcar em bruto em tonelada cresceu 76,7% em maio, com relação a abril. A receita em dólar cresceu 66,5% enquanto o preço por tonelada caiu 5,8% no mesmo período. Na comparação com maio do ano passado, foi verificado um crescimento de 19,3% no volume exportado, crescimento de 53,0% na receita em dólar e crescimento de 28,2% no preço por tonelada.
O gráfico apresenta a trajetória do preço por tonelada para o mês de maio, no período 2012 a 2017. Em 2017 podemos observar a recuperação do preço que vinha em queda nos anos anteriores.

Fim da recessão no país?

Depois de oito trimestres em queda ou dois anos de recessão, o PIB do país apresentou um crescimento de 1,0% no primeiro trimestre de 2017, na comparação com o último trimestre imediatamente anterior. Um bom resultado evidentemente, porém pouco ainda para grandes comemorações. A base de comparação deprimida exige um certo cuidado.  Agora, o que merece ser comemorada é o crescimento do setor agropecuário. O crescimento no trimestre bateu 13,4% em função da excelente safra de grãos. A natureza deu uma boa ajuda com chuvas providenciais.   
Já pela ótica da despesa, a expectativa do crescimento da economia puxado pela consumo das famílias não funcionou. Foi contabilizado um um declínio nessa conta de (-0,1%), enquanto a Formação Bruta do Capital Fixo declinou (-1,6%) em relação ao quarto trimestre de 2016. 
É aguardar para ver os próximos desdobamentos políticos e seus reflexos na economia.

Campos tem taxa de crescimento da produtividade do emprego negativa no período de 2003 a 2015

Imagem
Considerando a produtividade como elemento determinante do crescimento econômico de longo prazo e melhoria do padrão de vida das populações, Campos dos Goytacazes apresenta uma situação crítica. Analisamos a produtividade do emprego no período de 2003 a 2015, cujas taxas de crescimento anualizadas colocaram Campos (-1,7% a.a) em condição de inferioridade aos municípios de Macaé (taxa de produtividade de 1,4%), Itaperuna (taxa de produtividade de 1,4%) e Nova Friburgo (taxa de produtividade de 1,2%). Conforme podemos observar, o petróleo parece não ter apresentado contribuição para melhoria no padrão de vida da população. Campos gerou produtividade negativa do trabalho, Macaé se beneficiou da base de empresarial localizada no município, porém não se diferenciou de Itaperuna, município não produtor se petróleo. Nova Friburgo, também não produtor de petróleo, apresentou taxa de produtividade do trabalho muito próxima de Macaé.  O quadro mostra a evidencia, especialmente, em Campos dos Goyt…

Reflexos da quarta revolução industrial: Será?

Segundo o economista alemão Klaus Schwab, presidente do Fórum Econômico Mundial, a escala e a amplitude da atual revolução tecnológica (quarta revolução industrial) terão desdobramentos em mudanças econômicas, sociais e culturais de proporções quase impossíveis de prevê-las. 
Para o economista, dentre os impactos potenciais na economia, nos negócios, governos e países, na sociedade e nos indivíduos, um dos mais importantes surgirá a partir de uma única força: O EMPODERAMENTO (como os governos se relacionam com os seus cidadãos; como as empresas se relacionam com os seus empregados, acionistas e clientes; ou como as superpotências se relacionam com países menores). 

A ruptura provocada pela quarta revolução industrial nos modelos políticos econômicos e sociais, exigirá que os atores capacitados reconheçam que eles são parte de um sistema de poderes distribuídos que requerformas mais colaborativas de interação para que possa prosperar.

Fico na expectativa de que os políticos possam entende…

Amadurecimento da Bacia de Campos e queda da receita de royalties na região Norte Fluminense

Imagem
A participação percentual da receita de royalties nos municípios da região Norte Fluminense, em relação ao total dos municípios do estado do Rio de Janeiro, caiu fortemente nos meses do primeiro quadrimestre de 2017 em relação ao mesmo período de 2011. Podemos observar no gráfico uma retração média da receita de 13,28 pontos percentuais no período, resultado do amadurecimento dos poços da Bacia de Campos.  Já na comparação entre a receita total dos municípios do estado do Rio de Janeiro, em relação ao total da receita total dos municípios do país, foi observada uma queda mais branda de 8,21 pontos percentuais, em função da produção fora da Bacia de Campos. O produção de petróleo no pré-sal interrompeu uma maior queda no contexto do estado, frente ao país. A presente análise corrobora com a visão de que é urgente a busca de alternativas que possam substituir as rendas petrolíferas, cuja trajetória é declinante.

Movimentação do emprego formal na região Norte Fluminense em abril

Imagem
O saldo negativo de emprego formal desacelerou em abril na região Norte Fluminense. Foram eliminadas 56 vagas no mês, contra 1.815 vagas em março. Macaé eliminou 883 vagas no mês, enquanto Campos dos Goytacazes criou 770 vagas em decorrência do inicio da safra de cana de açúcar.  No acumulado de janeiro a abril, a região eliminou 3.113 vagas, concentradas em Macaé com a eliminação de 2.971 vagas no quadrimestre do ano. Deste total, foram eliminadas 907 vagas no setor de serviços, 804 vagas na construção civil, 503 vagas no setor extrativa mineral, 502 vagas no comércio e 206 vagas na indústria de transformação. Somente o setor agropecuário gerou resultado positivo com a criação de 7 vagas de emprego no quadrimestre.  Campos dos Goytacazes eliminou 97 vagas no período, sendo 440 vagas na construção civil, 384 vagas no comércio, 144 vagas no setor de serviços e 19 vagas no setor extrativa mineral. Os setores agropecuário e industria de transformação geraram resultados positivos. Foram cri…

Produção física industrial do Rio de Janeiro dá sinais de aquecimento em 2017

Imagem
O setor industrial do Rio de Janeiro dá sinais de recuperação no primeiro trimestre de 2017. Em janeiro cresceu 4,8% em relação a janeiro de 2016, em fevereiro cresceu 3,6% e em março cresceu 6,1% em relação ao mesmo período.  O setor metalúrgico teve papel fundamental nesse aquecimento. Em janeiro cresceu 31,3%, seguido pela indústria extrativa com crescimento de 13% e do setor de manutenção, reparo e instalação de máquinas e equipamentos com 9%. Em fevereiro o setor cresceu 27,7%, seguido pela fabricação de veículos automotores 18,8% e da fabricação de bebidas com 14,3%. Já em março, o setor cresceu 36,3%, a fabricação de bebidas 38,8% a automobilista 31,6% e a extrativa cresceu 10,1% no mesmo período. Conforme observado no gráfico, a variação da industria no Brasil ficou muito aquém do estado do Rio de Janeiro.

Entendendo a crise fiscal em Campos dos Goytacazes

Imagem
O entendimento sobre gastos em investimento como critério de eficiência na execução orçamentária municipal, permite uma análise mais profunda da trajetória financeira dos municípios no estádio do Rio de Janeiro. Consideramos os municípios líderes das microrregiões e identificamos que no período de 2002 a 2016, Campos dos Goytacazes apresentou o melhor resultado do estado. Com uma média nominal de 16,89% de investimento em relação as receitas correntes nos últimos quinze anos, superou a média de 14,10% da alocação feita pelo Rio de Janeiro.
Observamos ainda nesses quinze anos, um forte coeficiente de correlação de 0,855650185 entre receitas correntes e investimento público no município. De 2002 a 2009, período de evolução das rendas petrolíferas, o coeficiente de correlação apurado foi de 0,763265106. Já no período de 2009 a 2016, onde se verificou declínio da participação relativa na produção de petróleo da Bacia de Campos em relação a produção no país, o coeficiente de correlação de …

Oito anos do blog Economia Norte Flumiense

Imagem
Estamos comemorando mais um ano de vida. Em maio de 2009 iniciamos o esforço de divulgar informações credibilizadas sobre a região Norte Fluminense. Com oito anos de trabalho intenso, acreditamos que estamos cumprindo o nosso objetivo, porém com o entendimento de que ainda existe uma longa estrada para percorrer. 
Parabéns a todos os leitores do Blog Economia Norte Fluminense.  Abraços, Alcimar Chagas.

Resultado superavitário na Balança Comercial brasileira em abril

Imagem
A Balança Comercial brasileira contabilizou um saldo superavitário de US$6.967 milhões em abril. As exportações somaram US$17.686 milhões e as importações US$10.717 milhões no mês. No acumulado de janeiro a abril, o saldo foi superavitário em US$21.387 milhões. As exportações acumuladas somaram US$68.149 milhões e as importações US$46.762 milhões no período. na comparação com o mesmo período acumulado do ano passado, as exportações cresceram 21,8% este ano, enquanto as importações acumuladas cresceram 9,53%. O saldo superavitário neste quadrimestre é maior 61,4% do que o saldo no quadrimestre de 2016.

Exportação de petróleo em abril

Imagem
A exportação de petróleo em tonelada caiu 21% em abril, com base em março. A receita em dólar caiu 23,6% e o preço caiu 3,5% no período. Na comparação com abril do ano passado, o volume embarcado caiu 10,3%, a receita cresceu 42,8% em função da valorização de  59,16% no preço por tonelada.

Exportação de minério de ferro em abril

Imagem
A exportação de minério em tonelada caiu 33,9% em abril, com base em março desse ano. A receita em dólar caiu 30,3%, enquanto o preço subiu 5,6% no período. Na comparação com abril do ano passado, a queda no volume embarcado foi de 17,0%, enquanto a receita cresceu 69%, em função do crescimento de 103,9% no preço, no mesmo período.
O gráfico mostra a trajetória do preço para o mês de abril, no período de 2012 a 2017. podemos observar uma boa recuperação do preço de exportação em 2017, depois da forte queda nos anos anteriores.

Exportação de açúcar em abril

Imagem
O volume em tonelada de açúcar exportado em abril, caiu 1,71% em relação a março, mantendo a trajetória de queda neste ano. A receita em dólar caiu 3,15% e o preço caiu 1,46% no mesmo período. Na comparação com abril do ano passado, o volume exportado caiu 8,72% enquanto a receita em dólar cresceu 30,2% , devido a evolução do preço em 42,63% no mesmo período.
O gráfico apresenta a evolução do preço e exportação do açúcar em bruto para o mês de abril, no período de 2012 a 2017. Neste ano podemos observar a recuperação do preço, depois de uma trajetória de queda acentuada até 2016.

Não existe crise financeira em São João da Barra

Imagem
As receitas orçamentárias dos municípios são divididas em receitas próprias (impostos e taxas no contexto do Município) e transferências constitucionais feitas pelos governos do Estado e Federal. As transferências tem uma peso, substancialmente, maior e nelas estão as rendas de petróleo, o fundo de participação dos municípios, o ICMS, recursos para saúde, educação, assistência social, merenda escolar, dentre outras. As transferências de recursos federais para a região Norte Fluminense no período de janeiro a abril de 2017, calculada por habitante, são apresentadas na figura a seguir:















Fonte: Transparência Federal
Vejam que a crise tão alardeada pelo governo de São João da Barra, parece não se justificar. O Município nesse quadrimestre recebeu um montante de R$856,06 por habitante, valor maior 138,58%  do que o valor médio da região Norte Fluminense e 473,74% maior que a média do estado. As transferências federais somaram R$29.863.350,43 no período de janeiro a abril. Se considerarmo a m…

Flutuação do emprego formal no período de janeiro a março em São João da Barra

Imagem
O governo atual em São João da Barra implementou elevados gastos para incentivar o turismo no primeiro trimestre do ano, cujos resultados concretos ficaram longe dos propagandeados. Parceria público privado, subvenções, eventos, nada animou a economia. Vejamos a figura a seguir, com os dados de emprego no primeiro trimestre, segundo o Ministério do Trabalho.












O Município gerou 85 novas vagas de emprego no período de janeiro a março deste ano. Olhando os setores, podemos observar que somente as atividades de serviços geraram saldo positivo, ou seja, 328 vagas. Dentre as ocupações com maiores saldos estão o de coleta de lixo com 215 vagas, motorista de furgão com 34 vagas, varredor de rua com 22 vagas, ajudante de motorista com 21 vagas e alinhador de produção com 19 vagas. Vejam que as ocupações demandadas com maior número de vagas não tem nenhuma relação com turismo. As contratação tem relação com a administração pública e a motivação, exatamente a troca de governo. O comércio que estari…