A Atividade Leiteira nas regiões Norte e Noroeste Fluminense

A atividade leiteira nas regiões Norte e Noroeste Fluminense perde expressão econômica devido a sua precária organização produtiva. Com um formato microeconômico, onde as propriedades atuam individualizadas, as políticas públicas dirigidas para o setor não revolvem os seus gargalos. As unidades produtivas têm escala insuficiente, baixo padrão tecnológico, baixa qualidade dos produtos e custos elevados que inibem a possibilidade competitiva do setor.
A produção leiteira no Brasil cresceu 2,68% em 2014, com base em 2103. No estado do Rio de Janeiro foi registrado uma queda de 5,1% e Campos dos Goytacazes perdeu 20,8% de sua produção em litros, no mesmo período. Itaperuna contribuiu positivamente com um crescimento de 9% e São Francisco de Itabapona contribuiu com um crescimento de 36,1% no período analisado.

O gráfico acima apresenta a trajetória da produção leiteira nos anos 2000 para os municípios de Campos, Itaperuna e São Francisco de Itabapoana.
Conforme podemos verificar, São Francisco de Itabapoana apresenta uma consistente evolução da produção leiteira nos últimos anos, chegando a maior produção individualizada do estado em 2014. Foram produzidos 42,0 milhões de litros de leite ordenhados de 35 mil vagas neste ano.
Entretanto, a performance isolada de qualquer município não é suficiente para aumentar a competitividade do setor. Temos um problema de organização produtiva, cuja solução exige a troca do processo operacional microeconômico por um processo operacional mesoeconômico. Podemos implementar um polo leiteiro em um raio de aproximadamente 100 km, entre Campos a Itaperuna. A estrutura mesoeconômica proposta, consiste na visão de território (integração relacional de espaços de interesse) em substituição a prática de propriedade individualizada; cooperação e reciprocidade como fundamentos de ampliação da escala e redução dos custos de transação; integração universidade - governo - firmas para o fomento à inovação, comercialização e padrões de eficiência gerencial.
A estrutura do polo reúne os municípios leiteiros do Noroeste Fluminense no entorno de Itaperuna (São José de Ubá, Natividade, Miracema, Bom Jesus, Santo Antônio de Pádua, Laje do Muriaé e Porciúncula) e os municípios leiteiros do Norte Fluminense no entorno de Campos dos Goytacazes (Cardoso Moreira, Conceição de Macabu, São Francisco de Itabapoana e São Fidélis). A produção integrada desse polo somou 135,5 milhões de litros de leite em 2014 ou 25,1% da produção do estado do Rio de Janeiro. Importante observar que esse volume representava 34,3% em 2013. O ano de 2014 não foi bom para a pecuária na região. O total produzido na estrutura do polo indicado foi menor 30,7% em relação a 2013, enquanto a queda da produção do estado do Rio de Janeiro foi de 5,1% no mesmo período.
Os números indicam a necessidade de intervenção e a operacionalização da estrutura proposta para o polo leiteiro, pode viabilizar questões relevantes, tais como: aumento da escala, refinamento dos produtos, diluição dos custos de transação, inovação de produto e processo e a criação de novas firmas e negócios, ampliando as vantagens competitivas do setor, com reflexos no emprego, na renda e no bem-estar entre os envolvidos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como um discurso descuidado induz a erros grosseiros!

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra