Grande enchente em Santo Antônio de Pádua-RJ

por Ramon Mulin¹

As enchentes em Pádua são comuns, todavia, algumas catástrofes por aqui ficam apenas na poeira dos antigos veículos midiáticos. As mais "famosas" enchentes são as de 1979, por ter atingido a Ponte Raul Veiga, e a de 2008, por ser a maior e mais catastrófica enchente da história do município.
Esquecida pelos paduanos mais experientes, a enchente do início do ano de 1961 causou muitas perdas e paralisou completamente nossa cidade. Muitos moradores perderam tudo o que tinham. O ano novo não foi tão generoso por nossas bandas, pois a fome foi a pior inimiga.
A estrada Rio-Bahia e os acessos para outras regiões do Rio, como a estrada para o antigo Estado da Guanabara, ficaram fechados por conta do ímpeto das águas. As ferrovias da região também estavam inutilizadas, levando a população paduana atingida pelas águas a utilizarem os vagões dos trens parados como abrigo provisório.
Por conta dos transtornos, cessou-se o fornecimento de laticínios para o Estado da Guanabara - Santo Antônio de Pádua era seu principal fornecedor de leite na época. A comunicação também ficou prejudicada.
Esse evento trouxe à nossa cidade o emissário de governo, Dr. Joaquim Maia Brandão, a fim de verificar pessoalmente as consequências da enchente. O emissário mantinha a comunicação com o governador do estado, Roberto da Silveira, que estava em um leito de hospital em decorrência de uma queda de helicóptero em Petrópolis (o governador veio a falecer oito dias após o acidente, no dia 28 de fevereiro).
Segundo jornais da época, o prefeito Badih Chicralla tirou de seu próprio bolso 150 mil cruzeiros para atender a demanda de famintos do município. O governo do estado também solicitou ao Banco do Brasil o crédito de 50 milhões de cruzeiros para minimizar os transtornos e tomar as medidas cabíveis ao evento.

¹ Historiador e Professor de História.

Foto 1: Prefeito Badih Chicralla e emissário de governo Dr. Brandão examinam aspectos da destruição.
Foto 2: Ponte Raul Veiga durante a enchente.
Foto 3: Desabrigados entrando na estação ferroviária que dava acesso aos vagões de trens que se tornaram abrigos provisórios.
Foto 4: População se utiliza de barcos para acessar seus imóveis.

Fotos: Hélio Passos, Geraldo Viola e José Nacif.

Mulin

Professor de História

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

São João da Barra: uma coletividade oprimida politicamente que dá sinais de reação

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra