Em queda, indústria vira a vilã da renda no Brasil


O total de salários pagos pela indústria no Brasil teve no ano passado a primeira queda desde 2003, e a tendência é um novo recuo neste ano, resultado de reajustes menores e de mais demissões –o que tem reflexos importantes no consumo e na arrecadação de impostos.

A indústria concentra a maior taxa de formalização (75%), o segundo maior contingente de trabalhadores (21,5 milhões) e paga, proporcionalmente, os melhores salários: 25% dos que ganham mais de R$ 4.000 ao mês no país trabalham no setor.

"A indústria será a vilã da renda daqui em diante, algo muito diferente do que ocorreu na recuperação de 2004 a 2008, no governo Lula", diz Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados.

Desde 2003, início da série calculada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o total de salários pagos pela indústria nunca havia caído. A primeira queda, de 0,1% no ano passado, deve se acentuar neste ano (ver quadro acima).

O desemprego no setor deve ser a principal causa da diminuição da renda total, que vinha funcionando nos últimos anos como um dos motores da economia, da concessão de crédito (por causa da alta formalização) e da arrecadação.

O setor responde por 36% da arrecadação de impostos, por causa da sua longa cadeia produtiva e do valor agregado de seus produtos.

EMPREGO

Nos últimos três anos, o emprego industrial caiu cerca de 6%. Só em São Paulo, que concentra 45% das indústrias, foram 220 mil cortes, mais da metade em 2014.

No ano passado, a produção industrial caiu 3,3%, mas grandes empresas seguraram funcionários, mais treinados que na maioria dos setores, esperando uma recuperação.
"O emprego só se mantém se a produção se firmar, e isso não está no horizonte", diz Rogério César de Souza, economista-chefe do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial).

No primeiro bimestre, a indústria paulista fechou 7.000 vagas. Dos 22 setores acompanhados pela Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), 15 cortaram, 4 contrataram e 3 mantiveram o quadro.

"A única esperança são os setores exportadores, por causa da alta do dólar. Para os demais, a perspectiva é muito ruim", diz Paulo Francini, diretor da Fiesp.

O setor de máquinas e equipamentos está entre os mais afetados. Com 250 mil empregos, cortou 15 mil vagas em 2014 e deve eliminar outras 30 mil neste ano.

"Teremos uma derrama no emprego. Contando 2015, a queda na produção e no faturamento chegará a 30% em quatro anos. Uma hecatombe", diz Carlos Pastoriza, presidente da Abimaq, que reúne os fabricantes do setor.

Como concordar com o discurso do governo, que continua a forçar a ideia de que os fundamentos econômicos do país são fortes?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Como um discurso descuidado induz a erros grosseiros!

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra