Panamá - Tigre Latino!

Com crescimento econômico forte, Panamá deve se tornar 'tigre latino'


Os locais adoram chamar a Cidade do Panamá de mini-Dubai. Nove dos dez maiores edifícios da América Latina estão na cidade, onde foi inaugurado em 2014 o primeiro metrô da América Central.
Os arranha-céus são a nova cara do país que teve o maior crescimento de PIB das Américas no ano passado, 6,5%. O ritmo deve ser mantido em 2015 e 2016. A renda per capita panamenha virou a segunda da América Latina, atrás apenas da chilena.
O milagre econômico detonado em 2000, quando os EUA devolveram o canal que corta o país e leva seu nome, é facilmente visto além das torres de arquitetura kitsch que se espalham pela capital.
O desemprego caiu de 13% para 4,5% em menos de uma década. No ano passado, o salário mínimo se tornou o maior da América Latina –varia de US$ 488 a US$ 624 mensais (R$ 1.298 a R$ 1.659), conforme a região do país.
"O Canal tinha uma direção estratégico-militar com os americanos. Quando passou ao Panamá, virou negócio, e os governos souberam aproveitar as oportunidades", disse à Folha o panamenho Galileo Solís, diretor do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para inovação e competitividade.
Na última década, o país subiu mais de dez posições nos rankings de competitividade do Fórum Econômico Mundial e do Banco Mundial.
É possível abrir uma empresa em uma semana, com todos os trâmites on-line.
A companhia aérea local Copa transformou o aeroporto da capital em centro regional. Nos últimos três anos, o número de voos diários do Brasil ao país dobrou para 14.
Editoria de Arte/Folhapress
Com conexões aéreas fáceis, economia dolarizada e um pacote de incentivos, aCidade do Panamá conseguiu atrair 110 multinacionais que instalaram ali seus escritórios administrativos-financeiros para a América Latina.
Empresas como 3M, HP, Caterpillar, Procter&Gamble, Heineken e Dell mudaram-se de cidades como São Paulo, Caracas ou Buenos Aires para o país centro-americano.
"Damos benefícios fiscais e trabalhistas [facilitar o visto de trabalho a executivos e a importação para quem quer levar o carro] a empresas que se instalem aqui e criamos o site PanamaEmpreende, que ajuda quem abre empresa", afirma a vice-diretora do Centro Nacional de Competitividade do Panamá, Rose Piper.
CANAL MAIOR
A economia panamenha gira em torno do canal inaugurado em 1914 pelos americanos, que haviam apoiado o país na luta pela independência da Colômbia já de olho na construção de uma passagem do Pacífico para o Atlântico.
Os EUA receberam então a "concessão perpétua" do canal, e só após tensas negociações que culminaram em um acordo em 1979, com 20 anos para a transição, aceitaram devolvê-lo ao Panamá.
A transformação não terminou. A ampliação da passagem, iniciada em 2007, virou um ímã de investimentos.
A partir do ano que vem, um terceiro "corredor" dará passagem a navios com até 13 mil contêineres de 20 pés –hoje, passam só os de 5.000. Com embarcações maiores, o governo espera dobrar a renda anual de quase US$ 1,3 bilhão que a hidrovia lhe traz.
A obra, orçada em US$ 5,2 bilhões, ficaria pronta em 2014, mas atrasou e deve chegar perto de US$ 7 bilhões após paralisações e processos de empreiteiras italianas e espanholas que exigem cobertura do custo adicional.
Esses não são os únicos obstáculos para o Panamá virar um tigre latino.
A desigualdade social é alta, e o interior ainda está distante do progresso reluzente da capital. Cerca de 20% da população ainda é pobre, embora em 2000 fossem 55%.
Escândalos de corrupção são frequentes, e o país é o 94º entre os 175 do ranking da Transparência Internacional, 25 posições abaixo do Brasil.
O Panamá já foi acusado de ser um paraíso de lavagem de dinheiro, com investigações recentes do Departamento do Tesouro dos EUA e críticas da vizinha Colômbia. Por anos, durante e após o regime do general Manuel Noriega, traficantes compravam belos apartamentos ali.
Mas, entre os arranha-céus da capital, as calçadas ainda são minúsculas e é comum ver ruas alagadas por canos que estouram. Blecautes são rotineiros mesmo nas áreas nobres, percalços que o milagre ainda não resolveu.
RAIO-X PANAMÁ
Área:
75.000 km² (Santa Catarina tem 95.000 km²)
População:
3,7 milhões de habitantes (Espírito Santo tem 3,5 milhões)
Crescimento:
6,5% (2014, projeção)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

São João da Barra: uma coletividade oprimida politicamente que dá sinais de reação

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra