A origem das medidas tributárias do Governo Federal

Para um melhor entendimento sobre as medidas econômicas de aumento tributário do Governo Federal (PIS, CONFINS, IR, CIDE, IOF, combustível, energia, etc.),  é necessário lembrar a crise financeira americana de 2008 e seus reflexos na economia europeia e latino americana. Em 2007, o país vivia a euforia dos grandes investimentos e da robustez dos seus fundamentos econômicos. Crescimento de 5,7%, inflação controlada de 4,5%, saldo da balança comercial de US$40 bilhões, o que fez o presidente Lula desafiar a crise, propagandeando a capacidade do país distribuir renda e tirar um grande contingente da pobreza. Para Lula, a crise não passava de marolinhas sem capacidade para afetar o país. Em 2008, o saldo da Balança Comercial desacelerou para R$24,7 bilhões e as empresas começaram a sentir retração nos negócios externos, fato ameaçador da forte geração de emprego no pais.

Com a proximidade da eleição presidencial de 2010 e a necessidade de manter os problemas da economia brasileira distante da visão da população, o governo passou a incentivar o consumo interno, justificando defesa do emprego.

Assim, seguiu-se um amplo programa de incentivo ao consumo das famílias com a redução das taxas de juros e ampliação do crédito e prazos de financiamento. Setores industriais foram escolhidos e beneficiados por um processo de redução tributária que somou R$32,0 bilhões somente na desoneração do setor automobilístico.

Apesar do esforço, o emprego não reagiu no nível esperado. Verificou-se uma forte retração no comércio exterior, os preços das commodities caíram pela fraca capacidade econômica internacional. No mercado interno, subia o endividamento das famílias com redução da capacidade de aquisição dos consumidores, dando origem a formação de estoques. A proximidade da eleição presidencial em 2014 gerou um discurso minimizatório dos problemas, onde as medidas recém implementadas eram negadas e combatidas.


Conforme o contexto, o governo buscou o caminho mais fácil e rápido que foi o da recomposição fiscal através do aumento de impostos. A justificativa veio no mesmo tom, ou seja, defesa do emprego. Evidente que os impactos atingirão fortemente a população em função da escalada inflacionária, enquanto as empresas terão que assumir um custo mais elevado pelo aumento dos impostos e insumos importantes da produção.  Agora é esperar para ver a reação do mercado, pois a saída está no aumento do investimento privado para recomposição da oferta agregada, a qual depende do nível de confiança dos empresários na economia. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra

As medidas do governo do estado e suas contradições