Os que nos mostra o IDHM sobre a região Norte Fluminense?

O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - IDHM, na região Norte Fluminense, apresentou uma boa evolução em 2010, com base em 2000, cujo fator acelerador foi a educação (acesso ao conhecimento). Os indicadores de renda e longevidade também cresceram, entretanto, com um peso menor. O município de Macaé lidera o ranking regional na faixa de desenvolvimento alto (0,764), seguido por Campos dos Goytacazes (0,716), Carapebus (0,713), Conceiçãode Macabu (0,712) e Quissamã (0,704). Na categoria médio desenvolvimento estão os municípios de São Fidélis (0,691), São João da Barra (0,671), Cardoso Moreira (0,648) e São Francisco de Itabapoana (0,639).  

Avaliando os municípios da região no contexto do Estado do Rio de Janeiro, podemos verificar algumas questões importantes. Macaé ocupa a sétima posição no ranking estadual, em função do alto padrão de renda, já que sedia um grande número de empresas do ramo petrolífero. Já Campos dos Goytacazes, apesar de sua grande importância econômica no estado, ocupa a 37ª posição. A pressão para baixo tem origem na renda média e na educação. Observamos ainda que Natividade, Itaperuna e São Antônio de Pádua, na região Noroeste Fluminense, ocupam a 23ª e 35ª posição ranking, portanto acima de Campos, mesmo não produzindo petróleo e com uma estrutura econômica bem menor. Em Natividade e Santo Antônio de Pádua a educação apresentou a maior contribuição a boa posição dos municípios, enquanto em Itaperuna observou-se uma boa combinação entre a renda, educação e longevidade.

O município de São João da Barra surpreende negativamente, já que trata-se de um município produtor de petróleo e sede do complexo portuário do Açu, cujas obras iniciaram em 2007. A sua colocação no ranking estadual na 76ª posição, na faixa de médio desenvolvimento, e abaixo de pequenos municípios como: São Fidélis, Quissamã, Conceição de Macabu e Carapebus, é uma situação paradoxal.


Como podemos observar, é essencial um processo de intervenção transformador na região. Está muito claro que o crescimento da riqueza, por si só, não garante melhoria de vida das pessoas. A riqueza pode estar concentrada ou mesmo tomando um fluxo em direção a regiões centrais mais bem estruturada e com melhor possibilidade de retorno. A acomodação da região em relação a renda de petróleo e aos grandes investimentos, baseados no uso de recursos naturais, perpetuará o quadro de subdesenvolvimento observado nos diferentes indicadores analisados. A alternativa está no interior de cada território, a partir da estratégia de combinação dos seus recursos tangíveis e intangíveis.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

São João da Barra: uma coletividade oprimida politicamente que dá sinais de reação

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra