Eike se livra da dívida de R$ 13,8 bilhões da OGX e deixa empresa

RAQUEL LANDIM
DE SÃO PAULO

Quase um ano depois de pedir a recuperação judicial da OGX, Eike Batista conseguiu se livrar da dívida de R$ 13,8 bilhões da petroleira.
Os acionistas da empresa aprovaram na quinta-feira em assembleia a troca da dívida por ações.
O ex-bilionário deixa oficialmente de ser o controladora e os credores passam a deter 71,4% da companhia.
A OGX entrou em colapso em meados do ano passado, depois que admitiu que suas reservas de petróleo estavam superestimadas. O desastre da petroleira arrastou todo o grupo X.
Eike e seus ex-diretores estão sendo processados pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e pelo Ministério Público por "insider trading" –negociar ações com informações privilegiadas. Eles negam as acusações.
Com a conversão da dívida, a reestruturação da OGX, comandada pela Angra Partners, chega ao final. O juiz deve aprovar em breve a saída da recuperação judicial.
"Os credores e o judiciário carioca colaboraram muito para garantir o futuro da empresa", diz Márcio Logo, do escritório Sergio Bermudes, que representa Eike.
A OGX deve voltar em breve a ter ações negociadas na bolsa. A companhia vai emitir mais de 86 milhões de novas ações a R$ 160 cada e distribuir aos credores.
MINORITÁRIO
Eike se tornou o minoritário na empresa que já foi a estrela do seu império. Ele, que era dono de metade da companhia, hoje detém 19% de participação –14% diretamente e outros 5% por meio da empresa naval OSX.
Os demais minoritários da antiga OGX viram seu patrimônio derreter e também terão apenas 14% da empresa.
No segundo trimestre de 2015, Eike será diluído novamente e ficará com apenas 9% da OGX.
A empresa recebeu um empréstimo de US$ 215 milhões dos credores, que também será convertido em capital.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

A atividade Agropecuária no Estado do Rio de Janeiro em 2011

O Perfil da Agricultura em Campos dos Goytacazes