Desigualdade de renda se manteve estável entre 2006 e 2012, aponta novo estudo

J
JORNAL O GLOBO
RIO - A desigualdade de renda no Brasil ficou estável entre 2006 e 2012, ao contrário do que se acreditava, segundo estudo recente feito por pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) e do Ipea. O artigo faz um novo cálculo do índice de Gini — que mede a desigualdade, quanto mais perto de 1, pior —, que considera não apenas os dados de renda da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), mas também a renda declarada pelas pessoas ao Imposto de Renda.
Por este cálculo, o índice de Gini foi de 0,6959 em 2006, seguido por 0,6980 em 2009 e 0,6901 em 2012. A variação abaixo de 1% nesse período é considerada sinal de estabilidade na desigualdade brasileira, já que pode ser uma flutuação estatística, segundo o professor da UnB e pesquisador do Ipea Marcelo Medeiros, um dos autores do estudo, que será publicado na revista "Ciência & Saúde Coletiva":
— A desigualdade no Brasil é mais alta do que a gente calculava anteriormente. Já sabíamos que a Pnad subestimava a renda de quem estava no topo da pirâmide e, agora com os dados sobre Imposto de Renda que a Receita Federal tornou públicos, é possível calcular melhor a desigualdade.
No trabalho feito por Medeiros, Pedro HGF Souza e Fabio Avila Castro, a renda usada no cálculo do índice de Gini é a chamada renda do indivíduo adulto, ou seja, inclui o rendimento de pessoas acima de 18 anos em trabalho, aluguel e juros, por exemplo, inclusive de quem não tem renda. O rendimento de todas as fontes, feito pelo IBGE, considera apenas aqueles acima de 15 anos com algum rendimento.
QUEM GANHA A PARTIR DE R$ 2.837 NOS 10% MAIS RICOS
O estudo também traz uma análise sobre faixas de renda no país, considerando a renda anual. Em 2012, aqueles que estavam na fatia de 0,1% mais rica da população ganharam R$ 984,5 mil no ano. Considerando um trabalhador formal — que receba 13º salário e adicional de um terço de férias —, isso equivaleria a uma renda a partir de R$ 74.023. Isso sem incluir nenhuma renda adicional, como, por exemplo, o rendimento de uma aplicação financeira ou auferida com a venda de um imóvel ou de um veículo naquele ano, por exemplo. Os valores correspondem a julho de 2014, ou seja, foram acrescidos da inflação.
Já a parcela dos 1% mais ricos no país reunia aqueles com rendimento anual acima de R$ 229,3 mil, ou algo a partir de R$ 17.243 por mês no caso de trabalhadores formais. O grupo dos 5% mais ricos, por sua vez, é formado por pessoas com renda acima de R$ 5.342 por mês ou R$ 71.055 por ano, também considerando o caso de trabalhadores formais. Quem ganha acima dos R$ 2.837 por mês, ou R$ 37.744 ao ano, já pertence ao seleto grupo dos 10% mais ricos no país.
— Os números mostram que a renda é muito concentrada no Brasil. As pessoas acham que o 1% mais rico é formado por milionários, mas os ricos são pessoas que você vê passar nas ruas todos os dias — destaca Medeiros.

Mesmo incluindo mais ricos que no caso da Pnad, o estudo ainda não capta totalmente essa parcela da população. A avaliação é do pesquisador do Ibre/FGV José Roberto Afonso. Ele lembra que os ricos, muito ricos e até a classe média passaram a ter rendimento via Pessoa Jurídica (PJ), que não é contabilizado pelas pessoas físicas e, portanto, não entram nesse levantamento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

São João da Barra: uma coletividade oprimida politicamente que dá sinais de reação

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra