Salários baixos e crédito restritivo aniquila comércio

O jornal Folha da Manhã, deste domingo, publicou matéria sobre a falta de dinheiro em Campos dos Goytacazes. Os comerciantes reclamam dos poucos negócios e culpam o atraso na transferência dos royalties de petróleo.


Quero lembrar as nossas discussões anteriores sobre a fragilidade do comércio na região Norte Fluminense, fundamentalmente, em Campos, Macaé e São João da Barra. Já identificamos a tempo que a renda média do trabalho em Campos é baixa, atingindo 2,5 salários mínimos mensais. Faltam negócios industriais capazes de articular cadeias produtivas de maior valor agregado e, consequentemente, salários maiores. A massa salarial no municípios concentra 35% na administração pública e 34% em serviços de baixo valor. Por outro lado o quadro é de forte endividamento das famílias, encarecimento e restrição do crédito, condições que inibem a atividade comercial. Portanto, nesse momento, o atraso na transferência de royalties não tem influencia na depressão do comércio local.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como um discurso descuidado induz a erros grosseiros!

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra