O território como elemento dinâmico do desenvolvimento

Desde o inicio do século passado as discussões sobre desenvolvimento local/regional acentua o fundamento "Capital Social", conceitualmente representado por um conjunto de elementos intangíveis que fazem parte do quotidiano das pessoas, tais como: cooperação, orgulho de pertencer ao local, iniciativas coletiva, civismo, ética e respeito.

Recentemente, Albagli (2004) orientou sobre o fato da comunicação entre os indivíduos pertencentes a um território, a partir de um processo cumulativo de troca de experiências, se caracterizar como o principal atributo social na formação da territorialidade. Esta territorialidade, por sua vez, representa uma poderosa estratégia de organização para o processo de desenvolvimento local.

Baseado nesse contexto, podemos resgatar num passado próximo um estado de territorialidade, onde o comportamento das pessoas era bastante diferente. Podemos lembrar da função legislativa sem remuneração, onde os homens de representatividade e de bons serviços prestados no seu local, exerciam mandatos de vereadores motivados pelo bem servir. Podemos lembrar também as manifestações culturais e religiosas organizadas pela população que não media esforços em sua implementação. As pessoas usavam tempo e recursos próprios ou captados de terceiros para manter viva a sociedade, onde o governo passava despercebido. Existia, efetivamente, uma sociedade onde as relação sociais eram consistentes, o senso de pertencimento aguçado, forte percepção sobre a necessidade da ação coletiva, alto padrão de respeito mútuo e civismo. Esse quadro materializava a existência de "capital social", que para os mais antigos representava uma pratica comum, uma cultura.


Todavia, na modernidade globalizada, onde o processo concorrencial é excludente, essa estrutura de capital social representa uma potencial estratégia para o desenvolvimento local. Porém, como podemos verificar, o quadro que se apresenta é bem diferente. Os aspectos já citados do capital social não são tão fáceis de se encontrar. Aliás, no território representado pela região Norte Fluminense, não seria exagero afirmar que são raros e, portanto, uma condição que inibe o processo de evolução ao desenvolvimento. Conforme já discutimos, os investimentos exógenos, por si só, não garantem desenvolvimento, sendo, portanto, essencial a reconstrução de um certo padrão de capital social e a sua utilização no processo de governança para o desenvolvimento. Assim, combinar ações endógenas, a partir da organização social no território, com os investimentos exógenos, pode caracterizar a estratégia fundamental para o desenvolvimento local/regional.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

São João da Barra: uma coletividade oprimida politicamente que dá sinais de reação

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra