CONTRADIÇÃO



Mudanças na regulação dos depósitos compulsórios irrigam a economia com mais dinheiro para crédito. Os bancos ficam satisfeitos, porém o mercado encara como contraditórias as  medidas. Resgatando a nossa discussão anterior, está confirmada a nossa crítica, ou seja, as arrumações de curto prazo serão priorizadas neste ano eleitoral, em detrimento das necessárias intervenções de ordem estrutural.    


25/07/2014 às 08h58 
BC faz ajuste nas regras dos recolhimentos compulsórios
Por Mônica Izaguirre e Daniela Machado | 

BRASÍLIA E SÃO PAULO  -  O Banco Central (BC) anunciou ajustes nas  regras dos recolhimentos compulsórios, com impacto estimado de R$ 30 bilhões, argumentando que esses depósitos subiram significativamente nos últimos anos e que houve moderação no crédito recentemente. Além disso, a autoridade destacou que a inadimplência está em patamares baixos e o nível de risco no sistema financeiro diminuiu, o que permitiu as mudanças.
Em nota divulgada agora pela manhã, a instituição informou ainda que adotou as medidas com vistas a melhorar a distribuição da liquidez na economia. Foram alteradas normas relativas aos recolhimentos compulsórios sobre recursos a prazo e à vista. 
Foi permitido que até 50% do recolhimento compulsório relativo a depósito a prazo sejam cumpridos com operações de crédito. “Pelo prazo de um ano, 50% dos valores recolhidos poderão ser utilizados na contratação de novas operações de crédito e na compra de carteiras diversificadas (pessoas jurídicas e físicas) geradas por instituições elegíveis” , diz a nota.
Outra medida foi ampliar o rol de instituições financeiras elegíveis (de 58 para 134) à condição de vendedoras das operações aceitas para fins de dedução do recolhimento. Instituições financeiras cujo Patrimônio de Referência Nível I, na posição de dezembro de 2013, seja inferior a R$ 3,5 bilhões serão elegíveis, sem restrições.
O BC resolveu ainda reduzir de R$ 6 bilhões para R$ 3 bilhões o valor do Patrimônio de Referência (Nível I) das instituições elegíveis para utilizar financiamentos concedidos nos termos da Resolução nº 4.170, para fins de redução da exigibilidade sobre recursos à vista, “ampliando o número de bancos que poderão lançar mão de parte (até 20%) de seus recolhimentos compulsórios sobre depósitos à vista para empréstimos e financiamentos que sejam enquadráveis no Programa de Sustentação do Investimento (PSI) do BNDES”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra

As medidas do governo do estado e suas contradições