FOLHA DE SÃO PAULO

"Economist" chama autor mais comentado do ano de "novo Marx"
DE SÃO PAULO
02/05/2014  21h00

O economista francês Thomas Piketty, um professor da Escola de Economia de Paris até recentemente pouco conhecido, é maior que Marx.
A afirmação serve de ironia no título da reportagem da nova edição da revista "Economist", que aponta que a obra "Capital in the Twenty-First Century", uma reflexão sobre a desigualdade, tornou-se o livro mais vendido da Amazon.com.
A obra de Piketty, uma análise das preocupações econômicas prioritárias da atualidade, tem muitos méritos, segundo a publicação.
"Abastece o leitor de uma explicação simples para o crescimento da desigualdade", prossegue a revista, relembrando o argumento do autor de que a riqueza geralmente avança mais rápido que a economia e que são raras as forças que neutralizam sua tendência natural de se concentrar. As grandes riquezas atraem grandes oportunidades de investimento.
A "Economist", entretanto, menciona também as muitas críticas apontadas à obra do francês, começando pelo ataque ao título, uma alusão sem modéstia a Marx.
A taxação da riqueza proposta por Piketty é criticada como politicamente inviável e mais motivada por ideologia do que pensamento econômico, lembra a revista.

Para um de seus defensores, Paul Krugman, Piketty e colegas como Anthony Atkinson, de Oxford, e Emmanuel Saez, de Berkeley, são responsáveis pelo desenvolvimento de técnicas estatísticas que tornam possível rastrear a concentração de renda e de riqueza no passado distante, até o começo do século 20, no Reino Unido e nos EUA, e até o final do século 18 na França. 

"Chamo a atenção para o parágrafo em negrito, o que fortalece a nossa discussão em relação a riqueza gerada na região Norte Fluminense. Tem origem exógena (de fora para dentro), ou seja, grandes investimentos de interesse nacional e internacional, baseados na exploração de recursos naturais, os quais apresentam características  de não conformidade com as práticas e cultura local. Este fato leva a alta concentração da riqueza construída, sem que a sociedade local / regional tenha chance de adaptação, tendo em vista a velocidade do evento, que aprofunda a desigualdade social".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como um discurso descuidado induz a erros grosseiros!

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra