Análise do emprego formal na região Norte Fluminense em agosto

O saldo de emprego formal na região Norte Fluminense cresceu 22,87% em agosto com relação a julho de 2013. Foram criadas 1.171 novas vagas no mês, contra 953 vagas em julho. Macaé e São João da Barra contribuíram para o resultado. Porém na comparação com agosto do ano passado, houve uma queda de 25,68% no saldo gerado em agosto deste ano. O saldo de emprego no período de janeiro a agosto de 2013 está concentrado em 59,09% em Campos do Goytacazes, 50,85% em Macaé e -19,13% em São João da Barra.

Na avaliação setorial, verificou-se que das 7.287 vagas de emprego criadas no período de janeiro a agosto deste ano na região, Campos dos Goytacazes contribuiu com a geração de 4.306 vagas. Estas foram distribuídas em 650 na indústria de transformação, 267 na construção civil, 1.130 nos serviços, 2.386 na agropecuária, enquanto que no comércio o saldo foi negativo em 264 vagas. Já Macaé contribuiu com a geração de 3.706 vagas no período, distribuídas em 4.731 vagas na construção civil, 908 vagas nos serviços, 11 vagas na agropecuária. A indústria de transformação destruiu 1.460 vagas e o comércio destruiu 908 vagas no mesmo período.
 
O município de São João da Barra apresentou um saldo negativo de 1.394 vagas no período. Destas, a construção civil destruiu 1.144 vagas, a indústria de transformação destruiu 196 vagas e o setor de serviços destruiu 60 vagas. O gráfico apresenta a trajetória do emprego formal no município nos meses de janeiro a agosto de 2013.


Duas questões são importantes na análise do emprego formal na região. Os municípios de Campos e Macaé que concentraram o emprego neste ano, apresentaram saldo negativo no setor de comércio. No caso de Campos dos Goytacazes, tem-se a situação do emprego sazonal do setor sucroalcooleiro, enquanto Macaé predominou a construção civil oriunda de investimentos exógenos. Neste caso fica evidente a fuga da riqueza gerada. No caso de São João da Barra, ocorreu uma situação inversa. Quando  o emprego geral era positivo, por conta da construção civil, o emprego no comércio era negativo. Agora, com a destruição de emprego na construção civil, o comércio voltou a apresentar saldo positivo. Verifica-se que existe um descolamento da movimentação econômica local dos investimentos exógenos, ou seja, a riqueza formada por esses investimentos não garante evolução doméstica. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra

As medidas do governo do estado e suas contradições