O Sistema Bancário no Desenvolvimento: uma análise da Baixada Fluminense

Trabalho de mestrado do LEPROD-UENF, de autoria de Claudio de Carvalho Marouvo, discutiu o papel da moeda no desenvolvimento da região da Baixada Fluminense, considerando o aspecto da preferência pela liquidez (motivação dos bancos para emprestar ou não localmente).

Conforme tabela, no período de 2001/2005 o crédito total cresceu 15,23% na Baixada Fluminense, impulsionando um crescimento de 25,1% no PIB regional. A Capital como referencia viu o crédito total cair 6,26% no mesmo período, acompanhado de um crescimento de 1,93% no PIB, percentual bem inferior ao crescimento regional.

No período seguinte, o crédito total da Baixada cresceu 124,7%, impulsionando um crescimento de 11,76% no PIB regional, enquanto que a Capital registrou um crescimento de 75,58% no crédito total, impulsionando um crescimento de 25,39% na geração de riqueza medida pelo PIB.

Período
Crédito Total
Baixada (%)
Crédito Total
Capital (%)
PIB
Baixada (%)
PIB
Capital (%)
2001/2005
15,23
-6,26
25,1
1,93
2005/2009
124,70
75,58
11,76
25,39

Na tabela seguinte, observa-se no primeiro período um crescimento de 33,6% do crédito na Baixada e um crescimento de 10,95% no PIB, enquanto que na Capital, o crescimento de 12,74% no crédito impulsionou um crescimento de 3,72% no PIB. No período 2005/2009, as baixas taxas de juros possibilitaram um crescimento de106,56% nos empréstimos e desconto na Baixada Fluminense e 134,71% na Capital, refletindo no crescimento de 23,14% no PIB da região e 27,71% no PIB da capital. 

Período
Empréstimo e Desconto - Baixada (%)
Empréstimo e Desconto - Capital (%)
PIB (serviços) na Baixada (%)
PIB (serviços) na Capital (%)
2001/2005
33,60
12,74
10,95
3,72
2005/2009
106,56
134,71
23,14
27,71

Assim, a moeda parece ter um papel relevante no desenvolvimento, já que o PIB responde a indução, via maior disponibilidade de crédito. Entretanto, o refinamento da análise através Shift-Share (método que permite a decomposição de uma variável local, em relação à evolução da média regional), apresenta resultados em desconformidade com os indicadores anteriores.

Período
Decomposição setorial pelo método Shift-Share: Empréstimo na Baixada
Decomposição setorial pelo método Shift-Share: PIB na Baixada
2001/2005
19,76%
5,73%
2005/2009
-26,42%
-3,44%

Nesta observação, a Baixada apresentou uma vantagem relativa de 19,76% na operação de Empréstimo e Desconto e também uma vantagem relativa no PIB (setor serviços) de 5,73% em relação a Capital, no período de 2001/2005. A situação se inverte no período seguinte, onde a vantagem relativa no crédito se torna negativa em 26,42% (tendo uma queda absoluta de 46,18%), quanto a participação no PIB  ocorre também uma queda relativa de 9,17%.


Neste caso, verifica-se que o crescimento percentual do crédito e do PIB esconde, de fato, a ausência de crédito na região, já que predomina a concentração creditícia na Capital, ratificando a tese centro-periferia (fuga de capitais da periferia para o centro), fato que inviabiliza a geração de rendimento crescente fora do centro. Assim, a ideia da moeda endógena como elemento do desenvolvimento local/regional, passa pela reestruturação de um novo modelo que combine a presença de novos mecanismos de financiamento fora da intermediação financeira tradicional e um processo de governança institucional, garantindo o fortalecimento do ambiente produtivo, tanto para atrair melhores investimentos exógenos (externos), quanto para fomentar investimentos endógenos, atendendo as demandas locais, no contexto das cadeias produtivas. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra

As medidas do governo do estado e suas contradições