Sustentabilidade ou irresponsabilidade? confusão conceitual na EBX

A nossas reflexões sobre os investimentos do Complexo Portuário do Açu sempre se basearam em sua natureza, ou seja, característica exógena e ancorada em recursos naturais. Neste caso, a proteção do território do seu entorno é essencial e obrigatória, tendo o Governo um papel de relevância no processo de articulação com os agentes envolvidos.

Alertamos que tal condição não ocorria, já que o poder público, tanto Estadual, como Municipal, optou pela proteção aos agentes produtivos em detrimento da sociedade. A prova concreta desta afirmação está no abandono das medidas compensatórias pactuadas nos estudos socioambientais e nas audiências públicas. Posso lembrar das prometidas ações para o fortalecimento do comércio local, agricultura familiar, além da criação de alternativas para inibir problemas na pesca artesanal.

Apesar da tentativa de ampliação dessas ideias, as respostas do empreendedor e do governo rotulavam os críticos de inimigos do "desenvolvimento", alimentando a expectativa da população com gastos pontuais e sem nenhuma relevância sustentável. Como exemplo, a construção de consultório dentário para pescadores, distribuição de brindes em eventos organizados pelo poder público, maquiagens em obras públicas, etc.

A crise deflagrada no grupo empresarial joga a tona questões importantes, já levantadas anteriormente, como a criação de expectativas sem o compromisso com a sua realização. O município já foi comparado à cidade de Xangai, viagens internacionais foram promovidas para observação dos modelos de distritos industriais na Europa e o comprometimento com a sustentabilidade foi estampado nas publicações sobre gestão de território.

Finalmente, com a notícia de extinção da diretoria de sustentabilidade, acompanhada de muitas demissões no grupo EBX, reacendem as nossas expectativas sobre o futuro do projeto e a sociedade precisa cobrar responsabilidade do poder público que contribuiu para esse quadro de incerteza e dificuldades para a população.



Comentários

  1. Professor, boa noite. Diante desse, atual quadro, agora em Junho, qual a perspectiva do empreendimento daqui pra frente? A Petrobrás e o BNDES vão assumir, em parte, o projeto?

    ResponderExcluir
  2. Prezado Beto, não acredito no fim do projeto. O sistema portuário do Brasil é caótico e, portanto, um projeto como o do Açu que já consumiu em sua construção R$ 3,5 bilhões precisa ir adiante. Nesse caso, a perspectiva anterior de porto indústria fica muito distante, restando a opção de sua funcionalidade para a atividade petrolífera. Assim, acredito no interesse da Petrobrás e do próprio governo, já que o grupo X vive uma crise de credibilidade no mercado acionário.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra

As medidas do governo do estado e suas contradições