A MAIOR INVENÇÃO DA HUMANIDADE

Análise do economista Ranulfo Vidigal

As cidades atraem um número cada vez maior de moradores. Em 1900, apenas 15 cidades possuíam mais de hum milhão de habitantes, hoje são mais de 400. Nos núcleos urbanos convivemos com trânsito congestionado e filas nos cinemas e supermercados. Com tantos problemas que geram, as cidades são também o melhor lugar para se encontrar as soluções.
Mas, o que leva tanta gente optar por se instalar nas cidades, dado que mais da metade da população opta por viver atualmente em zonas urbanas.  A resposta a está indagação está na oportunidade de estudar e se qualificar, conhecer outras pessoas, fazer negócios, conseguir um emprego e interagir culturalmente. Aliás, este ambiente torna as cidades um local propício para a inovação e a criação de conhecimento. Historicamente, a maior parte dos grandes inventos surgiu e proliferou nas cidades.
A cidade de Campos tem como seu maior ativo intangível suas universidades que cuidam de 25 mil alunos, bem como seu parque de pesquisas, que no futuro muito breve estará interligado na rede de fibra ótima pública permitindo a criação de uma grande biblioteca virtual, com livros, teses, dissertações e monografias dos diversos cursos existentes em nossa cidade.
Quando olhamos as megatendências para o mundo, nas décadas futuras, constatamos que o processo de urbanização deve se acelerar e aumentar o peso das médias cidades na geração de bens, serviços e conhecimento qualificado. Por outro lado, com a expansão do processo de mundialização do capital, as cidades cada vez mais competem entre si para atrair as melhores empresas e os melhores cérebros. Este contexto coloca enormes pressões por investimentos públicos em saneamento, educação, transportes, segurança e gestão de resíduos sólidos.
O adensamento demográfico é uma forma inteligente de amenizar as deficiências de infraestrutura urbana. O reaproveitamento dos centros históricos é outra característica desta tendência permitindo aos moradores, por exemplo, uma menor perda de tempo nos deslocamentos entre suas moradias e o local de trabalho.
Em síntese, investir em infraestrutura como vem fazendo o poder público em Campos é crucial, bem como é muito importante criar centros de excelência em educação e treinamento, afinal o que faz a grande diferença é a produtividade sistêmica de uma sociedade e o sucesso de qualquer localidade é decorrência da qualidade das pessoas que moram nela.


Ranulfo Vidigal – economista, mestre e doutorando em políticas públicas, estratégias e desenvolvimento pelo Instituto de Economia da UFRJ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra

As medidas do governo do estado e suas contradições