RODOVIA TRANS-LITORÂNEA



Avaliação do economista Ranulfo Vidigal 

Em recente visita internacional, o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, anunciava para investidores do exterior uma grande parceria público-privada (PPP). O Objetivo será repassar à iniciativa privada a ampliação de oito mil quilômetros de rodovias, dez mil quilômetros de ferrovias, além da gestão de aeroportos importantes e terminais portuários.
Ligando este fato a uma questão importante para a nossa região, destaco um projeto estruturante na área logística. Trata-se da Rodovia Trans-litorânea, modelada com o intuito de transformar-se em uma PPP. Esta rodovia cruzará toda a orla da região Norte Fluminense, interligando vários trechos de estradas estaduais, interligando o município de Macaé ao sul do estado do Espírito Santo.  Desta forma, a rodovia cortará os dois grandes investimentos industriais e portuários em fase de implantação em nossos municípios, o Complexo Logístico de Farol – Barra do Furado, entre Campos e Quissamã, e o Porto do Açu, em São João da Barra.
Vivemos um momento em que os antigos traçados das rodovias federais que cortam nossas cidades, a BR 101 e BR 356, revelam-se insuficientes para fazer face ao crescimento da demanda de deslocamento de pessoas, alimentos e matérias-primas. Diante desta nova realidade, torna-se crucial a criação de uma agenda de planejamento prévio das necessidades que unam desenvolvimento econômico, inclusão social, sustentabilidade ambiental e logística, de modo que o conjunto das novas plantas, ao invés de causar transtornos ao dia-a-dia da população, venha gerar externalidades positivas, na forma de emprego, renda e bem estar.
É sempre conveniente manter o acompanhamento do impacto negativo dos novos projetos, de modo a mitiga-los bem no seu início. Vejamos como exemplo concreto a desarticulação urbana que representa a passagem da BR 101 por dentro de nossa cidade. O trânsito fica mais caótico e o tempo médio de deslocamento das pessoas no trajeto casa – trabalho, casa – escola, casa – lazer fica cada vez maior, restando menos tempo livre para a população usufruir do convívio familiar, do lazer criativo e também para o melhor aproveitamento das belezas arquitetônicas da nossa cidade histórica.
De um modo geral, a melhor forma para garantir o crescimento econômico de regiões economicamente desfavorecidas é assegurar o avanço dos investimentos estratégicos em seu território atacando desigualdades, revitalizando áreas deprimidas e elevando o grau de prosperidade da população como um todo. No dia 25 próximo, a reunião do COMUDES trará este tema da Rodovia Trans-litorânea à mesa de debates.
Ranulfo Vidigal – economista, mestre e doutorando em políticas públicas, estratégias e desenvolvimento pelo Instituto de Economia da UFRJ.

Comentários

  1. Caro professor Alcimar: moro às margens da BR 356, no trecho denominado Avenida Presidente Kennedy, no bairro Jóquei e sinto informar que o tráfego de carretas está causando grandes transtornos.

    ResponderExcluir
  2. Grieg,utilizo a BR356 todos os dias, já que moro em SJB e trabalho na UENF. Realmente,ai podemos observar uma forte externalidade negativa do Porto do Açu. A transformação é substancial e expõem todos os usuários diariamente. É uma pena que a sociedade e os governos tenham dificuldade em entender o seu papel, se posicionando em prol das medidas compensatórias que estão ficando esquecidas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra

São João da Barra: uma coletividade oprimida politicamente que dá sinais de reação