Redução da conta de energia ou manobra contábil?


A presidente Dilma confirma promessa de reduzir a conta de luz no País. O desconto para as residências será de 18% e a indústria será beneficiada em até 32%. Na verdade, por traz dessa decisão existem manobras contábeis importantes. O governo leia a própria sociedade, terá um gasto por conta da redução da conta de luz de R$ 8,46 bilhões ano. É importante observar que o governo não cria riqueza e sim o setor privado, neste caso alguém terá que pagar. 

Outra questão, não muito bem esclarecida, é a mudança rápida de uma situação difícil, classificada de "apagão da energia", para uma condição de aumento da oferta com reflexos na redução da tarifa. Como é possível? Teoricamente, a implementação de novos projetos para aumento da oferta energética depende de um período longo de tempo. Um outro problema está relacionado a integração público - privado, onde decisões como essas podem comprometer novos investimentos.

Comentários

  1. Os impostos absurdos sobre as contas de energia o governo não corta, mas dizer que vai cortar 18 % eles dizem. Porque eles não informaram que a Light no rio aumentou a tarifa no final do ano passado em 12% e agora vai reduzir em 18%, então na realidade a redução será de 6 %. A Ampla em março terá as tarifas reajustadas, vamos ver em quanto, sendo assim a redução será insignificante, ressaltado que no Brasil pagamos uma das contas mais caras do mundo. Hoje é quase viável, em uma região como a nossa, comprar um gerador eólico, economizaríamos bastante! Pra mim esse anúncio de redução é mais marketing político!
    Outro detalhe, que acho interessante, pegue a inflação dos últimos 12 anos e compare com o aumento na tarifa de energia nesse período, irá tomar um susto.

    ResponderExcluir
  2. Denis, nas ciências econômicas e contábeis não existem mágicas. Cobriu um santo, descobre outro. Ou melhor, o cobertor é sempre curto: se precisar cubrir a cabeça, vai descobrir os pés. É isso qua vai contecer, temos um problema de oferta e o governo quer fazer política reduzindo o preço e cobrindo esse déficit com recursos do Tesouro que, em última instancia, é a própria sociedade. O correto é que o preço recue em função do aumento na oferta e, consecutivamente, na redução no custo de produção. No caso atual estamos trocando seis por meia dúzia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

São João da Barra: uma coletividade oprimida politicamente que dá sinais de reação

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra