Retrospectiva Econômica na região Norte Fluminense em 2012



A economia da região Norte Fluminense, assim como a do Estado do Rio de Janeiro, apresentou um quadro de desaceleração em 2012. Os sinais dos reflexos da crise econômica internacional se acentuam sobre diversos aspectos. No fundamento emprego formal, a desaceleração foi muito forte, declinando o saldo acumulado no período de janeiro a novembro de 2012 em 43,67%, em relação ao mesmo período de 2011. Dos 20.966 empregos criados em 2011 (janeiro a novembro), sobraram somente 9.155 para o mesmo período de 2012. Nesse balanço, Campos dos Goytacazes que tinha uma participação relativa de 37,83% no emprego da região em 2011, perdeu posição contabilizando 24,29% neste ano, enquanto Macaé aumentou a sua participação de 57,04% em 2011 para 58,44% em 2012 e São João da Barra aumentou sua participação de 3,89% em 2011 para 11,43% em 2012.

O emprego na indústria de transformação também desacelerou em 2012, contabilizando um saldo de 1.541 empregos, contra um saldo de 2.243 no mesmo período de 2011.  No comércio não foi diferente, enquanto em 2011 o saldo foi de 1.899 empregos, em 2012 o saldo gerado foi de 308 empregos.

No setor bancário, ao contrário, o saldo de depósitos a vista apresentou um crescimento nominal de 13,42% no período de janeiro a setembro de 2012, com relação ao mesmo período de 2011. Nas operações de crédito, o crescimento nominal foi de 30,0% e nas operações de depósito a prazo, o crescimento atingiu 19,13% no período analisado. No presente balanço, Campos dos Goytacazes perdeu participação nos depósitos a vista, já que participava com 42,80% no total da região em 2011, atingindo 39,65% em 2012. Os municípios de Macaé e São João da Barra, por sua vez, aumentaram as suas participações. O primeiro passou de 48,83% para 50,41% e o segundo de 1,95% para 2,53%.

Nas operações de crédito, a participação relativa de Campos caiu de 49,58% em 2011 para 49,31% em 2012. A participação de Macaé que era de 39,92% em 2011, caiu para 39,92% em 2012, enquanto São João da Barra aumentou a sua participação de 1,36% para 2,36% no mesmo período analisado. Finalmente, nas operações de depósito a prazo, o município de Campos tinha uma participação relativa ao Estado de 51,46% em 2011, caiu para 47,52% em 2012; Macaé aumentou a sua participação de 38,49% em 2011 para 39,59% em 2012 e São João da Barra aumentou a sua participação de 6,52% em 2011 para 8,78% em 2012. 

A produtividade da bacia petrolífera de Campos, medida pela transferência de royalties de petróleo para os municípios produtores, declinou em 2012 em relação a 2011. Enquanto a região experimentou um crescimento nominal de 11,84%, o repasse para o Estado do Rio cresceu 19,14% no mesmo período analisado.  A participação relativa da região no repasse para o Estado foi de 46,48% em 2011, caindo para 43,61% em 2012. Ao longo de 2012, os percentuais apresentaram uma trajetória de queda, conforme o gráfico a seguir. Em janeiro, a participação da região era de 45,14% do repasse para o Estado, caindo para 43,36% em dezembro do mesmo ano.











Fonte: ANP (os dados representam somente o repasse mensal de royalties. Não estão incluídas as participações especiais).

Conclusivamente, as operações de comércio exterior registraram um saldo deficitário de US$ 26.660.463 em Campos dos Goytacazes e um saldo superavitário de US$ 2.706.413.043 em Macaé, no período de janeiro a novembro de 2012.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como um discurso descuidado induz a erros grosseiros!

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra