MUDANÇA DE CICLO


O economista Ranulfo Vidigal avalia a conjuntura econômica internacional.

"Os economistas das diversas correntes sejam liberais, conservadores ou progressistas discordam sobre vários pontos, quanto ao desdobramento do manejo da política econômica e seus reflexos sobre a vida do cidadão comum, mas concordam em uma questão estratégica sobre a economia brasileira: o comportamento das contas externas, representado pelo Balanço em Transações Correntes e seu dequilíbrio será sempre uma forte restrição que altera, de fato, os graus de liberdade e a capacidade dos policy-makers formularem as alternativas mais adequadas para conjugar crescimento econômico, controle de preços e distribuição de renda.
Persistindo a desaceleração do comércio internacional, a retração dos fluxos de crédito e a redução acentuada dos investimentos externos, a tendência é de que tenhamos uma crescente deterioração dos termos de troca de nossos produtos no exterior. E assim sendo, torna-se preocupante observar que de forma sistemática, nos anos recentes, nossas contas externas estão apresentando um déficit em transações correntes que cresce, e este ano deve atingir 2,4% do PIB estimado em 2,5 trilhões de dólares. Este cenário preocupa, em decorrência da conjuntura externa problemática e incerta.
Os líderes políticos do capitalismo ocidental à beira da depressão na União Européia – onde se tentou a constituição inédita da criação de uma moeda, sem a existência de um Estado soberano, buscam instituir um regime fiscal disciplinar austero, para manter orçamentos equilibrados e reduzir o tamanho do Walfare State, na suposição de que agindo assim possam criar espaço para que os empreendedores aproveitem este recuo do Estado e criem riqueza apostando em novos investimentos, novas plantas e novos empregos. Trata-se de uma tentativa com alta probabilidade de frustração.
Esta maré conservadora vai na linha contrária à do New Deal, posto em prática nos anos trinta do século passado, que tirou o mundo da crise, via intervenção estatal, regulamentação da finança e promoção de programas de proteção social.
A gravidade da situação nos países ricos põe em relevo o desempenho determinante dos Bancos Centrais, na gestão macroeconômica injetando dinheiro para salvar os sistemas financeiros de seus países. O FMI reconhece que a economia global está numa fase perigosa e o Banco Central Europeu criou um programa de refinanciamento para emprestar recursos para o combalido sistema financeiro do velho continente.
Na arquitetura atual do capitalismo desregulado, as finanças públicas e o manejo da dívida pública são componentes estratégicos das finanças globais, ou seja, não existe Banco Central sem um robusto Tesouro Nacional. Contudo, a crise ao desacelerar a demanda efetiva reduz, ao mesmo tempo, os recursos fiscais, além de aumentar os encargos oriundos do forte desemprego. Neste ambiente, a lógica financeira submete as decisões de investimento produtivo – aquele que gera empregos e renda – ao imediatismo, face ao choque de desconfiança que impera.
Com a crise sistêmica no Primeiro Mundo capitalista sobram mercadorias, imóveis, créditos podres e famílias endividadas. As exigências dos acionistas e administradores da riqueza financeira impõem às grandes empresas cortes de pessoal e geração de caixa buscando lucros de curto prazo. O aprofundamento da recessão européia, associada à semi-estagnação americana- incapaz de criar empregos suficientes em um ano eleitoral decisivo – além da previsão de desaceleração suave dos BRICs deve representar, pelo menos no curto prazo, um freio na demanda internacional por nossas commodities agrícolas, energéticas e minerais. Como exemplo, a demanda chinesa por aço despencou 8 por cento, nos últimos meses.
Este quadro de mudança de humor, volatilidade e risco de ruptura, por si só, pode redundar na deterioração dos termos de troca tanto do Brasil, quanto de toda América Latina. Por outro lado, embora tenhamos um bom nível de reservas cambiais, nosso estoque não é formado como resultado de uma expressiva performance na balança comercial, mas através de haveres junto a credores internacionais revelando fragilidade.
Nas últimas semanas, diante da fuga dos investidores para a liquidez e para a segurança,o dólar que vinha de uma forte queda se re-valorizou, diante das principais moedas pelo mundo e o título de 10 anos do Tesouro dos EUA pagam a irrisória taxa de 1,5 por cento ao ano, abaixo da expectativa de inflação.
No Brasil, nossa taxa de câmbio já se desvalorizou em cerca de 25 por cento, nível que por enquanto não assusta em termos de inflação, em decorrência do ambiente de deflação no cenário internacional. Isto deve permitir ao Banco Central trazer a taxa SELIC para níveis nominais e reais mais compatíveis com os praticados nas nações de porte semelhante à nossa.
O afrouxamento da política monetária, em conjunto com os níveis salariais em leve crescimento deve acelerar a velocidade cruzeiro da economia, no segundo semestre, embora não devam permitir, estatisticamente, um desempenho do PIB muito superior a 2%, para uma inflação em torno de 5% e uma taxa de câmbio acima de 2 reais.
Curiosamente, enquanto o Primeiro Mundo apresenta taxas elevadas de desemprego, com a Organização Internacional do Trabalho estimando em 60 milhões o número de desempregados pós - 2008, no Brasil a população economicamente ativa cresce 1,3 por cento ao ano, mas a demanda por mão de obra ainda está aquecida e faltam engenheiros e outras profissões importantes, como é o caso da construção civil.
A crise internacional é uma ótima oportunidade para estimularmos a produção de bens públicos essenciais, que não custam os dólares que tendem a ficar escassos, como é o caso do saneamento básico, da habitação popular, do planejamento dos transportes nos grandes centros urbanos, dos serviços de saúde, educação e da inovação. Diante de um mundo em processo acelerado de mutação, tais investimentos vão segurar o nível de empregos e, em paralelo, aumentar a produtividade sistêmica de nossa economia.
Os fatos históricos nos permitem prever a tendência inexorável do capitalismo de superar as barreiras à auto-expansão do capital, por meio da destruição criativa dos arcabouços sociais, em que antes se baseava a expansão econômica, bem como através das mudanças da organização técnica e produtiva. Isto ocorre, através da atuação da mão visível do Estado provocando mudanças adequadas das leis e das instituições e submetendo os governos a fortes restrições sociais. A crise – um problema de fundo essencialmente político - instaurou uma guerra fratricida entre o capital velho, que reluta em se desvalorizar e o capital novo que ainda não encontrou formas de se impor. Pensadores importantes identificaram na economia de mercado uma realidade com grande poder de destruição e perceberam que seu avanço na busca da acumulação exige a necessidade de forte regulação para ordenar as chamadas mercadorias fictícias: terra (meio ambiente), trabalho (emprego) e dinheiro (setor financeiro)".

Ranulfo Vidigal – economista, mestre e doutorando em políticas públicas, estratégias e desenvolvimento pelo Instituto de Economia da UFRJ.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como um discurso descuidado induz a erros grosseiros!

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra