Diante da crise internacional: como amortecer os seus reflexos

Verdadeiramente, existe um nó na conjuntura econômica do país, difícil de desfazer. O forte desaquecimento da demanda internacional, por conta da crise americana e européia, tem provocado ações de governo em direção a manutenção da dinâmica econômica interna. Dentre elas, verificam-se o incentivo a alguns setores da indústria e a queda na taxa de juros, visando promover avanço no consumo doméstico.

Uma primeira percepção é de os problemas são mais complexos e exigem ações contínuas de solução no médio e longo prazo. O incentivo ao consumo imediato representa uma ação de curto prazo que esbarra em questões importantes, como a inadimplência crescente dos consumidores e a própria garantia de oferta dos bens e serviços, já que por natureza o aumento da produção exige tempo.

Esse contexto indica alguns cenários que podem ser críticos. A redução da taxa de juros e o movimento que possibilita dar aptidão creditícia aos consumidores endividados podem criar uma bolha de consumo inicialmente, porém pode tanto implicar na aceleração inflacionária, pelo descompasso com a oferta, como pode reacender e aprofundar o endividamento com reflexos na inadimplência, já que existe um problema de incapacidade de gerenciar orçamento nas famílias. As duas situações podem também ocorrer simultaneamente.

A visão de médio e longo prazo deve ser vista pelo lado da oferta. Independente da crise internacional, já existe indicações sobre uma trajetória de desindustrialização no país, cujos reflexos afetam o emprego e a renda. Tal fato pode ser verificado na pauta de exportação, onde sobressaem as commodities, enquanto que a dependência de importações de bens industrializados representa um inibidor de emprego e riqueza no interior país.

Tudo isso nos leva a pensar em estratégias mais sustentáveis, diferentes das ações de curto prazo que promovem uma sensação de solução rápida, porém não duradoura e que ainda realimentam o mesmo processo de crise. Neste caso, o incentivo a promoção de inovações tecnológicas, associado a um maior nível de investimento público e privado, podem atuar no fortalecimento da demanda interna de maneira mais sólida, amortecendo os reflexos externos.

Comentários

  1. Prezado Professor Alcimar, concordo plenamente com sua análise e gostaria de comentar que a crise atual, embora possa ter um menor impacto no país do que a de 2008, está afetando a nossa economia. Acredito que duas frentes de ação devem ser implementadas com bastante ênfase, a primeira diz respeito a redução da carga tributária das empresas, algumas medidas foram tomadas recentemente pelo governo, visando dar maior competitividade as empresas nacionais, principalmente frente as empresas chinesas. A segunda frente, refere-se a questão cambial pela enxurrada de dólares que são "produzidos" pelos EUA visando tornar seus produtos mais competitivos, para conter essa "avalanche" se faz necessário criar controles, não na entrada e sim na saída destes do país através de prazos mínimos ou tributos que desestimulem a velocidade do fluxo cambial. Logo, podemos perceber que existem dois "inimigos" a serem combatidos: os produtos chineses por todas as suas peculiaridades de subsídios e os dólares americanos pela atual política monetária americana.

    ResponderExcluir
  2. Perfeito Claudio, a pesada carga tributária que encarece os produtos brasileiros, associada a valorização do real, que pressiona uma maior oferta de dólares, tem impactado fortemente da capacidade competitiva dos produtos brasileiros no exterior. Realmente existe um nó de dificil solução.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

São João da Barra: uma coletividade oprimida politicamente que dá sinais de reação

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra