segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Emprego formal em agosto nos municípios com menos de 30 mil habitantes na Região Norte Fluminense

A movimentação do emprego formal fechada em agosto nos municípios com menos de 30 mil habitantes, na Região Norte Fluminense, destaca São João da Barra com um saldo acumulado de 655 empregos no período de janeiro a agosto. Conceição de Macabu apresentou um saldo acumulado de 76 empregos e Carapebus 75 empregos no mesmo período. Cardoso Moreira e Quissamã destruiram emprego no período.

O gráfico ao lado apresenta a trajetória do emprego em São João da Barra de janeiro a agosto nos anos de 2011 e 2010.

domingo, 25 de setembro de 2011

Partidarização e atraso social

Tenho participado de algumas reuniões oficiais e confesso estar estarrecido pelo afloramento da partidarização em discussões tão fundamentais para a região e para o Estado do Rio de Janeiro. Sem chegar ao mérito de quem são os culpados, arrisco em afirmar que a Região e o Estado desperdiçam oportunidades potenciais que contribuem no aprofundamento do atraso socioeconômico. Exemplos, como: a partidarização da discussão dos royalties do petróleo, assim como, os projetos de estado com objetivo comum que geram concorrência entre secretarias, reafirmam a falta de sensibilidade dos políticos. Na verdade, todo esse show de horror ocorre sem que a sociedade questione os seus malefícios para a população. Outras prioridades acabam ocupando as mentes do povo que apresenta total desinteresse por questões de cunho sociológicas e concentra interesse em banalidades que não agregam nada a sua própria evolução. Muito complexa essa condição de atraso que perdura em certas sociedades. A luta deve se da na evolução do estagio democrático por que passa essa região.


sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Royalties em setembro na Região Norte Fluminense

Os valores na tabela correspondem aos depósitos de royalties de petróleo em setembro nos municípios da Região Norte Fluminense. Dos municípios produtores, somente São João da Barra apresentou crescimento. Setembro foi maior 3,14% em relação a agosto. Os demais apresentaram queda na arrecadação em relação ao mês anterior. Campos apresentou uma queda de 2,97%, Carapebus 1,22%, Macaé 3,29% e Quissamã apresentou uma queda de 3,14%.
No acumulado, Campos ocupa a liderança com arreacadação de R$413,7 milhões no período de janeiro a setembro, seguido por Macaé com uma arreacadação de R$300,7 milhões. São João da Barra arrecadou R$94,4 milhões no mesmo período.
A região arrecadou R$101,7 milhões em setembro ou 46,78% da arreacadação total arrecadado pelos municípios do Estado do Rio de Janeiro. No período o valor acumulado somou R$905,7 milhões ou 46,76 do total no Estado.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Crise econômica e recursos financeiros.....

Ponto importante do discurso da presidente Dilma Rousseff na abertura do Debate Geral da 66ª Assembleia Geral das Nações Unidas.

Para uma boa reflexão em nossos quintais......


"Não é por falta de recursos financeiros que os líderes dos países desenvolvidos ainda não encontraram uma solução para a crise. É, permitam-me dizer, por falta de recursos políticos e algumas vezes, de clareza de ideias. Uma parte do mundo não encontrou ainda o equilíbrio entre ajustes fiscais apropriados e estímulos fiscais corretos e precisos para a demanda e o crescimento. Ficam presos na armadilha que não separa interesses partidários daqueles interesses legítimos da sociedade".

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Cooperação técnica entre UENF e Prefeitura de Campos lança Boletim de Análise Econômica

Será lançado em 29 de setembro as 18 horas, no Auditório da FIRJAN, em Campos dos Goytacazes, o Boletim de Análise Econômica de Campos dos Goytacazes.
A ação é um produto da cooperação técnica entre a Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro - UENF (LEPROD / PROEX) e a Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes (CIDAC), o qual visa sistematizar e analisar dados econômicos relacionados a temas importantes como: emprego e renda, gestão orçamentária, atividade agrícola, operações bancárias, comércio exterior, etc., de forma a possibilitar um melhor processo decisório no setor privado e, fundamentalmente, no setor público.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

A UENF em seu papel de extensão

Outras considerações sobre a inauguração da Unidade Agroecológica no assentamento Josué de Castro, no distrito de Morro do Coco.

Conforme pode-se verificar uma área bela e produtiva que conta o o insumo principal que é a garra, a vontade e a capacidade de integração dos assentados.

Uma primeira percepção é de que, garantido o apoio institucional, o fortalecimento do comprometimento, o exercício da perseverança, com o apoio gerencial do planejamento, associado a um profissional processo de gestão de negócios, existe uma grande possibilidade de êxito.

Experiências como esta precisam ser estruturadas, especialmente, pela condição atual da região no que diz respeito, a total dependência alimentar de importações. Na verdade, geramos empregos em outros Estados.

A bela imagem mostra o quanto esses espaços podem produzir, inclusive produtos semi processados que tem valor agregado. Esta mesa de alimentos foi produzida pelos assentados com produtos de origem da terra em que trabalham. Mataria de inveja as mesas de alimentos oferecidas pelos diversos eventos, onde basicamente são oferecidos produtos industrializados, fabricados fora da região.

Ratificando comentários anteriores, fica evidente que o uso da estratégia de planejamento, associada a uma boa estrutura de gestão, poderia libertar o campo da pobreza, além de garantir a sua inserção nesse momento de transformação industrial.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Autonomia para o pequeno produtor

Da assessoria de comunicação da UENF - Jornalista Fulvia


Capacitar o pequeno produtor rural para que ele seja capaz de tirar da própria terra tudo que precisa para tocar a produção, tornando-o independente em relação à necessidade de insumos externos. Este é um dos objetivos da Unidade Demonstrativa de Sistemas Integrados de Produção Agroecológica (UDSIPA) da UENF, inaugurada na manhã desta quinta-feira, 15/09, no Assentamento Josué de Castro, em Morro do Coco, distrido de Campos (RJ).

- Até hoje ensinamos o produtor a comprar insumos, ajudando a enriquecer a indústria. É hora de ensiná-lo a usar o adubo verde, produzir energia limpa, utilizar raças nativas da região para produzir carne e leite. Se o esvaziamento do campo continuar, quem vai produzir nossos alimentos? Temos que capacitar o produtor para que conquiste um futuro melhor através do conhecimento - disse o coordenador do projeto, professor Luís Humberto Castillo Estrada.

A solenidade de inauguração começou com uma prece feita pela secretária da Associação dos Produtores e Agricultores Familiares do Assentamento Josué de Castro, Sandra Regina Miranda da Silva Faria. Em seguida, o vice-presidente da Câmara, Rogério Matoso (PPS) (representando o presidente do Legislativo, Nelson Nahim), lembrou que o município tem um perfil agrícola.

- O município tem que incentivar o agricultor a produzir melhor. Fico muito feliz em ver o sucesso deste projeto - disse.

Representando a entidade 'Amigos do Campo', o produtor rural Edinho Faes observou que, embora disponha de uma área agrícola muito grande e de muitos mananciais de água, o município ainda importa muitos alimentos. Ele defendeu a união do Executivo e do Legislativo Municipais na tarefa de fortalecer a agricultura familiar.

O presidente da Associação dos Produtores e Agricultores Familiares do Assentamento, Carlos Santos da Silva, lembrou as dificuldades iniciais das famílias assentadas.

- Sabíamos desde o início que, sozinhos, não iríamos a lugar nenhum. Precisávamos buscar meios de sustentação, o que felizmente agora estamos conseguindo - disse.

Pela UENF, estiveram presentes, ainda, o assessor da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (PROEX), Alcimar das Chagas Ribeiro; o diretor do Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias (CCTA), Henrique Duarte Vieira; a professora Janie Jasmim, do Laboratório de Fitotecnia (LFIT); e o chefe do Laboratório de Zootecnia e Nutrição Animal (LZNA), Manuel Vazquez Vidal Junior, além da coordenadora da Incubadora Tecnológica de Empreendimentos Populares (Itep), Nilza Franco Portela.

Uma das atividades que a UDSIPA já vem desenvolvendo é a realização de cursos, todas as quintas-feiras, nas áreas de caprinocultura, ovinocultura, avicultura, piscicultura, plantas medicinais e aromáticas. Futuramente, os produtores que estão participando do curso estarão aptos a disseminarem os conhecimentos entre outros produtores.

- Isto é um modelo que estamos implantando, que futuramente se transformará em uma escola de extensão e, posteriormente, na 'Universidade do Campo'. A ideia é expandir este modelo para outros municípios e para o mundo - afirmou Castillo.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

O emprego nos municípios com mais de 30 mil habitantes na RNF em agosto

A divulgação do emprego em agosto nos municípios com mais de 30 mil habitantes, na Região Norte Fluminense, coloca Macaé na liderança com um saldo de 9.206 empregos acumulados no período. O setor de serviços participou com um saldo de 6.103 empregos ou 66,29%, a indústria de transformação somou 1.412 empregos ou 15,34% e a construção civil somou 1.003 empregos ou 10,90% do saldo acumulado.
Abaixo de Macaé, o município de Campos de Goytacazes gerou um saldo de 7.182 empregos acumulados no período. O setor agropecuário foi responsável por um saldo de 3.706 empregos ou 51,60%, a atividade de serviços gerou 1.314 empregos ou 18,30%, a indústria de transformação gerou 774 empregos ou 10,78% a construção civil gerou 706 empregos ou 9,83% e o comércio gerou 673 empregos ou 9,37% do total acumulado no período.
São Francisco de Itabapoana gerou um saldo de 824 empregos no período, tendo o setor agropecuário participado com 799 empregos ou 96,97% do saldo acumulado.
A participação do emprego gerado nesses municípios é equivalente a 12,57% do emprego gerado no Estado do Rio de Janeiro no período que, por sua vez, apresentou uma participação de 7,51% do emprego gerado no país no mesmo período.


O gráfico ao lado apresenta a evolução dos saldos de emprego nos meses de janeiro a agosto dos municípios de Campos dos Goytacazes e Macaé. Observa-se a característica sazonal do emprego em Campos e uma trajetória de crescimento regular no município de Macaé.


Royalties



domingo, 11 de setembro de 2011

"Cavalhada" o que representa?

Enfim! Uma substancial mobilização de pessoas. Um espetáculo que mobiliza, aglomera uma grande população que sai às ruas e aplaude um festivo momento no município de São João da Barra. Observo tratar-se de algo que não sei bem como conceituar. Só sei que costumam chamar de “cavalhada” a ou algo assim. Na verdade trata-se de um grande movimento envolvendo cavalos, carroças, pessoas e um monte de “bosta” fresca sujando as ruas. Tudo apoiado por políticos e pelo governo local. Carroças que aglomeram oito ou nove pessoas, ou mais ou menos meia tonelada, puxada por um único cavalo. Os cavaleiros, movidos a álcool, conduzem seus cavalos através de práticas de maus tratos, claramente visíveis. Fica muito evidente o padrão de ignorância de grupos participantes, o que contrasta com o momento propagandeado do presente desenvolvimento, em função dos altos investimentos por conta do complexo portuário do Açu. Será que estou exagerando? Não sei, só entendo que dizem que vivemos na era do conhecimento e da informação e que esse paradigma moderno não combina com esse quadro de horror. Será que não consigo entender práticas cotidianas? Estou preocupado. Aliás, tenho pensado que sou um verdadeiro idiota. Não entendo o senso comum e tenho feito coisas que a maior parte da população não entende. Será que preciso procurar um analista?


sábado, 10 de setembro de 2011

Comércio exterior de minério de ferro em 2011

O comércio de minério de ferro no mercado internacional apresenta, em sua trajetória no ano de 2011, os reflexos da crise internacional. O volume em toneladas, embarcado em agosto, superou em 18,87% o volume de julho e apresentou um crescimento de 8,87% em relação a agosto de 2010. O preço em agosto apresentou um crescimento de 0,51% em relação ao mês passado e um crescimento de 14,76% em relação a agosto de 2010.

A trajetória dos preços praticados mostra um crescimento bem mais lento em 2011 do que em 2010. No ano passado o gráfico mostra uma trajetória mais dinamica, registrando um crescimento de 141,23% em dezembro com base em janeiro. Nos primeiros oito meses de 2011, o crescimento chegou a 23,19% em agosto com base em janeiro, com uma tendência de ficar abaixo de 30% em dezembro, considerando janeiro como base.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Comércio exterior do açúcar em bruto brasileiro

Os valores na tabela representam a movimentação da commodity açúcar em bruto no comércio internacional, no período janeiro a agosto de 2011. Foi verificado um crescimento de 16,53% no volume embarcado em agosto, com relação a julho. Na comparação entre agosto de 2011 e agosto de 2010, foi verificado um crescimento de 20,76% no volume embarcado.
O preço praticado em US$564,9 em agosto foi maior 1,71% do preço praticado no mês anterior e maior 38,8% do que o preço praticado em agosto de 2010.
O gráfico ao lado apresenta a trajetória do preço ao longo do ano. pode-se observar um crescimento em março e abril, período final da entre safra e uma forte queda em maio que se prolonga em junho. Em julho foi verificado um leve crescimento que avançou em agosto, porém ficando abaixo do preço praticado em março. Apesar do crescimento nos últimos dois meses, a crise internacional deve abafar o ímpeto de crescimento do preço nos meses seguintes, apesar da demanda consistente, já que a oferta internacional foi sacrificada por problemas climáticos.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Movimento Social Nossa São João da Barra convoca reunião

O Movimento Social Nossa São João da Barra realizará hoje, as 18:30, nas instalações do Instituto Multidisciplinar, reunião da executiva para traçar estratégias relacionadas as próximas ações. A idéia é definir o próximo tema para a discussão sobre as medidas compensatórias dos porto do Açu. No último seminário a proposta foi discutir os projetos divulgados pela empresa e pelo governo sobre a agricultura familiar. Segundo o movimento, como a empresa e governo ignoraram o convite, o seminário ficou prejudicado, apesar de sido concluido com as contribuições da academia. Assim, ficou claro que não é interessante discutir essas questões a luz de conhecimento técnico, sendo mais cômodo ficar no campo da propaganda.

sábado, 3 de setembro de 2011

Operações bancárias em junho na Região Norte Fluminense

A tabela apresenta os saldos de operações de crédito, depósito a vista de governo, depósito a vista privado e depósito a prazo no mês de junho, nos municípios da Região Norte Fluminense. O município de Campos contabilizou o maior saldo da região em operações de crédito, enquanto Macaé contabilizou o maior saldo de depósito a vista do setor privado.

A figura ao lado, apresenta a trajetória do saldo de depósito a prazo no município de São João da Barra. Observa-se uma trajetória de forte crescimento nos primeiros quatro meses do ano e uma desaceleração em maio e junho. Mesmo assim, o saldo é consistente e é inferior somente aos saldos de Campos e de Macaé. Um fato que chama atenção é que as operações de depósito a prazo no município não refletem, numa proporção adequada, a disponibilidade de crédito, o que dificulta o investimento privado.

Estaleiro OSX - investimento - presença do Estado

Matéria da Folha da Manhã de hoje divulga a capacidade produtiva do estaleiro da OSX em São João da Barra. São 400 toneladas de aço ano e investimento de construção avaliado em R$ 3 bilhões, cujo financiamento do Fundo de Marinha Mercante chega a R$ 2,7 bilhões. Conforme podemos observar, as facilidades estão sempre disponíveis para os grandes grupos empresariais (possibilidade de desapropriação do patrimônio privado, recursos financeiros, incentivos fiscais, etc.), ou seja, a sociedade brasileira viabiliza grandes negócios. A pergunta para reflexão é a seguinte: Quais são os benefícios reais (diferente dos discursos) que estão disponíveis para que a mesma sociedade se insira nesses grandes projetos? Este é o ponto que queremos discutir, no ambito técnico, sobre os grandes projetos, o que não quer dizer que somos contra os mesmos empreendimentos. Quero lembrar que a discussão moderna sobre desenvolvimento local envolve a universidade, na interação com o governo e a empresa, no processo de planejamento e bem estar social, o que também não quer dizer prepotência do conhecimento.


sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Audiência pública - infraestrutura - porto do Açu

Audiência pública para apresentar o projeto de infraestrutura do complexo portuário do Açu em São João da Barra.

Um quadro desolador, cuja primeira visão é a assustadora ausência da população mais afetada pelos impactos, ou seja, a local. Desconhecimento? acomodação? desinteresse? Outro fato triste é o formato do próprio evento, onde o orgão ambiental apresenta um discurso normatizado onde começa informando que a mesma audiência não é deliberativa, sendo somente parte do processo de aprovação. A idéia de um processo democratico se esfacela quando é concedido aos participantes o direito de fazer uma pergunta num formulário de aproximadamente 15 x12 centímetros e uma participação oral de 3 minutos ao final do processo. Aliás, segundo o orgão ambiental os interessados tem 10 dias para encaminhar qualquer questionamento, que com certeza, não será considerado. Experiência pessoal.
Outro quadro perplexo é a apresentação formalmente técnica do projeto para um público que, sem informações prévias, ouve sem entender quase nada do que está sendo discutido. Parece uma grande festa, onde desfilam os políticos; aliás a concepção de democracia, para eles, fica muito claro nos informes sobre as presenças no recinto. Presentes o vereador....., o secretário.....o sub secretário..... A sociedade se compõe somente da classe política?
Para finalizar, nada melhor do que um lanche pobre num ambiente sofisticado em termos de infraestrutura (vários carros da polícia militar, homens da segurança, secretárias, recepcionistas, etc.), estrutura não visível na proteção da população no dia-a-dia. Aliás, a cidade hoje oferece diversos pontos de morte, sem que ninguém se preocupe. Veja a avenida Rotary Clube, o trânsito no centro, etc.