segunda-feira, 27 de junho de 2011

Emprego nos municípios em destaque na Região Norte Fluminense

Os indicadores de emprego em maio nos menores municípios da região é apresentada na figura ao lado. São João da Barra apresentou o maior saldo ou 118 novos empregos no mês e 427 empregos no acumulado de janeiro a maio. As ocupações com os maiores saldos acumulados no município e os salários médios de admissão são os seguintes:
Servente de obras com um saldo 95 empregos e salário de R$712,28; Contínuo com um saldo de 71 empregos e salário de R$734,12; armador de estruturas de concreto com um saldo de 64 empregos e salário de R$1.099,92; Carpinteiro com um saldo de 58 empregos e salário de R$1.090,28 e Pedreiro com um saldo de 34 empregos e salário de R$1.059,06.

Os números de emprego em maio e acumulado para os outros municípios estão em destaque na mesma figura.

sábado, 25 de junho de 2011

Porto do Açu: mais apoio ao mais forte.......

A divulgação sobre a aprovação de financiamento no valor de R$2,7 bilhões, pelo fundo de Marinha Mercante, para o estaleiro da OSX em São João da Barra ratifica a forte distorção relativa à distribuição de forças no território compreendido pelo complexo portuário do Açu. O agente econômico “empresa”, cujo objetivo é o lucro nos negócios, consegue apoio externo irrestrito em suas estratégias gerenciais; o Setor Público, que deveria garantir a defesa da sociedade, incorpora o discurso da empresa, ou seja, assume como estratégia a propaganda sobre um futuro de bem estar garantido, enquanto a sociedade fica sem voz nesse contexto.

Conseqüentemente, mantido este quadro perverso, a mesma sociedade passa a experimentar dificuldades acentuadas, tais como: perda de propriedade em função do processo de desapropriação conduzida pelo Estado em favor do agente privado; perda do poder de compra em função da escalada inflacionária pela pressão de demanda sobre a oferta de bens e serviços, mais doenças em função da pressão populacional e ausência de investimentos em infraestrutura social, além do aprofundamento da miséria provocada pela ação conjunta dos problemas indicados.

Neste caso, o fortalecimento do Movimento Social Nossa São João da Barra é essencial para dar voz à sociedade excluída, buscando um melhor equilíbrio de forças. A idéia é que mantido o contexto atual, as relações democráticas fluam na condição, comparativamente, a um jogo de futebol, onde o arbitro não mede esforços para apoiar o time mais forte, o que acaba levando o time mais fraco a uma extrema derrota e humilhação ao final da partida. Porém, respeitando o papel da empresa e a liberdade de mercado, o recurso utilizado para os negócios privados representa um bem comum (o mar), portanto a sociedade precisa ser compensada de acordo com o processo evolutivo da geração de riqueza no território, o que representa um paradoxo a condição anterior.

Neste caso, democraticamente é injusta a relação de cooperação entre o poder público e a empresa, o que acaba concentrando força nesses grupos em detrimento da sociedade que na esteira do processo se fragiliza ainda mais, dado as debilidades históricas e culturais. Neste caso, não sobra outra alternativa, senão uma forte intervenção visando a constituição de grupos sociais organizados, em busca de um melhor equilíbrio de forças nesse espaço socioeconômico.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Valores de Royalties em junho na Região Norte Fluminense

A tabela ao lado apresenta os valores de royalties depositados nos caixas dos municípios da Região Norte Fluminense em junho de 2011. Campos dos Goytacazes recebeu R$49,1 milhões no mês, somando um valor acumulado no semestre de R$270,9 milhões. Macaé recebeu R$35,3 milhões no mês e um acumulado no semestre de R$195,6 milhões. São João da Barra recebeu R$10,7 milhões no mês e uma acumulado no semestre de R$60,3 milhões e Quissamã recebeu no o valor de R$7,2 milhões e um acumulado no semestre de R$38,4 milhões.

Trajetória da participação da RNF na geração de emprego no Estado do Rio de janeiro

A Região Norte Fluminense vem mostrando uma importante participação no emprego formal, gerado no Estado do Rio de Janeiro. Em 2010 a participação alcançou 6,03% do emprego total, tendo Macaé contribuído com 67,9% e Campos dos Goytacazes com 28,16% do total do emprego na região. Em janeiro de 2011, a região foi responsável por 94,23% dos empregos em todo o Estado, tendo em vista a destruição de emprego na região metropolitana no mesmo mês. Do total regional neste mês, Macaé contribui com 62,62% enquanto Campos dos Goytacazes contribuiu 36,06% do total. Em fevereiro, a participação regional alcançou 6,15%, tendo Macaé uma participação de 72,57% e Campos dos Goytacazes uma participação de 9,31%. Em março a região alcançou uma participação de 40,17% do total de emprego gerado no Estado, com Macaé participando com 96,92% e Campos com 5%. Em abril, a regiaõ atingiu uma participação de 6,04%, com Macaé contribuindo com 44,63%, enquanto Campos contribuiu com 46,30%.
Podemos observar que os muncípios de Macaé e Campos lideram o processo de geração de emprego na regiâo, já que a indústria petrolífera possibilita a liderança de Macaé, enquanto em Campos, as atividades em destaque são a construção civil, serviços e o setor sucroalcoleiro quanto entra no processo de operação, em função da safra de cana-de-açúcar. O município de São São João da Barra, em função das obras do porto do Açu, ocupa a terceira posição na geração de emprego na região.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Distribuição do emprego nas regiões do Estado do Rio de Janeiro

A figura ao lado apresenta a distribuição percentual do emprego acumulado, com carteira assinada, até abril de 2011 no Estado do Rio de Janeiro. A região metropolitana foi responsável por 36.887 empregos no período, volume equivalente a 73% do total no Estado. O município do Rio de Janeiro obteve 85% do total de emprego gerado na região.
A região noroeste fluminense gerou 290 no período analisado, equivalente a 0,58% do total acumulado no Estado. Na região, o município de Itaperuna gerou 150 empregos ou 52% do total.
A região norte fluminense gerou 3.919 ou 8% dos empregos gerados no Estado do Rio de Janeiro. Nesta região, a cidade de Macaé lidera com 69% da totalidade dos empregos.
A região serrana destruiu 135 empregos no mesmo período, porém o município de Petrópolis gerou 1.043 empregos.
Já a região das baixadas litorâneas gerou 2.179, número equivalente a 4% do total do Estado. Nesta região, o município de Cachoeiras de Macacu liderou a geração de emprego com 23%.
A região do médio paraiba gerou 2.551 empregos, número equivalente a 5% do total do Estado, enquanto o município com maior participação foi Volta Redonda com 41% do total.
A região centro sul fluminense gerou 375 empregos, equivalentes a 0,75% do Estado, tendo o município de Areal a maior participação equivalente a 72% do total.
Finalmente a região da costa verde gerou 3.894 ou 8% do total da Estado. Na região, o município de Itaguaí gerou 2.240 empregos ou 58% do total.

Notícia que orgulha o sanjoanense


O HDI possui a Conferência & Expo HDI em seus países de atuação ( Estados Unidos, Austrália, Japão, Dubai, Finlândia, Suécia e Polônia), evento anual que também acontece no Brasil, reunindo profissionais da indústria de Help Desk/Service Desk e Suporte. Esse é, definitivamente, o principal ponto de encontro desse mercado em todo o mundo para troca de experiências e aprendizado Nos dias 26 e 27 de maio, aconteceu a quarta edição da Conferência & Expo HDI 2011, no Centro Fecomercio de Eventos em São Paulo. Foi um prazer participar desse evento sendo indicado como um dos 3 melhores Analistas do Brasil 2010/2011. Deixamos a CTIS mais uma vez em evidência, concorrendo em três das quatro categorias existentes, além de competir com grandes players, como: IBM, Sonda, Procwork, CPM Braxis, Vivo, Cielo, Oi, entre outros. Entre as quatro premiações do evento [...]


"Esta é uma notícia que deixe os sanjoanenses orgulhosos e que deve servir de motivação para os jovens que vivem esse momento em a tecnologia se disponibiliza para as grandes transformações pessoais e profissionais".


Consulte



segunda-feira, 20 de junho de 2011

Movimentação do emprego no mês de maio na Região Norte Fluminense

O início da safra da indústria sucroalcooleira potencializa a geração de emprego em Campos dos Goytacazes. Em maio o setor agropecuário gerou 891 novos empregos, ou seja, 43,1% do total. No acumulado de janeiro a maio, foram gerados 3.620 novos empregos no município, tendo o setor agropecuário contribuído com 1.273 empregos ou 35,16% do total. O setor de serviços contribuiu com 24,83% no acumulado, a construção civil participou com 17,98%, a indústria de transformação participou com 12,87% e o comércio participou com 9% do saldo acumulado no período de janeiro a maio.

Macaé continua mantendo a liderança com 4.800 novos empregos no mesmo período, com o setor de serviços apresentando uma participação percentual de 68,70%, a indústria de transformação 17,06% e a construção civil 11,56%.


O gráfico ao lado apresenta a trajetória do saldo de emprego nos meses de janeiro a maio. Observa-se em Campos uma queda em fevereiro com base em janeiro e uma queda de março com relação a fevereiro. Em abril observa-se um crescimento do saldo superior ao ponto mais alto verificado em janeiro e no mês de maio um potencial crescimento provocado pelo contribuição do setor agropecuário.

domingo, 19 de junho de 2011

Qualificação Profissional na Região Norte Fluminense: necessidade de um novo olhar

Estudo do economista da UFRJ João Saboia sobre trabalho e renda, com base nos dados do Caged - Ministério do Trabalho, reforça a nossa crítica sobre o discurso de "qualificação para o trabalho" tratado em nossa região. Segundo o economista, dos trabalhadores com carteira assinada com o título de terceiro grau, uma parcela significativa de 53,5% está ocupando funções que exigem nível médio. Qual é a origem disso? A necessidade de contribuir para aumentar a estatística do número de matriculas no terceiro grau e a baixa qualidade de muitas instituições de ensino de terceiro grau que priorizam somente o aspecto comercial.
Em especial na região Norte Fluminense, espaço que experimenta um novo momento de transformação socioeconomica, a discussão sobre qualificação para o trabalho precisa ser repensada. Dificilmente teremos exito nessa questão se o ensino fundamental não for mudado e isso leva a um essencial esforço de reestruturação na educação municipal. A pratica corrente de viabilizar a formação de terceiro grau não tem gerado a produtividade esperada. Muitos profissionais com o título de terceiro grau não conseguem ocupar as vagas de acordo com a sua formação no mercado de trabalho, enquanto que a fragilidade da escola fundamental dificulta a trajetória de capacitação de muitos jovens. Desta forma observa-se um grande descompasso entre a preparação do estudante no ensino fundamental, médio e universitário das habilidades exigidas pelo mercado de trabalho, fato que materializa o gasto orçamentário sem compromisso com a relação custo/benefício. A não observação a essa discussão vai gerar a necessidade de importação de mão-de-obra, enquanto que os trabalhadores locais podem amargar os reflexos da inflação acelerada e da carência de serviços públicos em consequência do investimento em infraestrutura insuficiente frente ao aumento populacional. Resumindo, ou se integra ou faveliza.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Desdobramento da II Conferência de Controle Social de São João da Barra

Em reunião para discutir o processo de desdobramento da II Conferência de Controle Social em São João da Barra, nesta última terça feira, ficou evidenciado a confirmação do forte interesse do presente grupo, no que diz respeito ao avanço do trabalho de investigação sobre as medidas compensatórias dos projetos relacionados ao complexo portuário do Açu.

Vinte e duas pessoas participaram da reunião, dentre elas: representantes do comércio e indústria, agricultura, pesca, educação e cultura, universidade (UENF e IFF), comunicação, legislativo local e trabalhadores do porto. Inicialmente, foram divulgados alguns informes. O primeiro tratou da relação antiética verificada em Itaboraí, envolvendo elementos do poder público com o grupo X na venda de terrenos inflacionados em torno de 20.500%, segundo o jornal O Globo. Os seguintes informes trataram de informações gerais sobre a audiência pública da siderúrgica Ternium, do nascimento de diversos movimentos motivados pelo porto Açu e, fundamentalmente, das declarações da prefeita de Campos em relação à divisão territorial entre São João da Barra e Campos dos Goytacazes.

Prosseguindo de acordo a pauta proposta, passou-se a definição dos temas fundamentais para o aprofundamento dos trabalhos. Diversas questões relacionadas ao tema meio ambiente foram levantadas e reconhecidas como fundamentais, entretanto o tema agricultura sobressaiu nesse momento, já que os projetos impõem fortes impactos na atividade, além de ser objeto de preocupação tanto do empreendedor, quanto do governo, que têm divulgado ações em benefício do setor. A prefeita, cuja participação na conferência, foi identificada como de extrema importância para o evento em si e para toda mobilização social, afirmou sobre a existência de um modelo de organização para a atividade que segundo a ela, deverá se transformar em referencia no país. Já o empreendedor assumiu responsabilidade nos estudos de impacto ambiental sobre o fortalecimento do setor.

Com base neste contexto ficou aprovado o próximo passo, o qual será a organização de uma reunião aberta de trabalho, onde será encaminhada ao empreendedor e ao governo uma solicitação para apresentação detalhada do modelo de organização da atividade agrícola, o qual tem sido divulgado por ambos. Foi decidido que esta reunião será nas instalações da Câmara Municipal, já que este espaço apresenta uma infra-estrutura mais apropriada em função da disponibilidade de recursos humanos e tecnológicos.

Complementarmente a solicitação aos agentes indicados para apresentação das ações em benefícios da atividade agrícola, o movimento convidará especialistas sobre o assunto para que o evento venha a contribuir para a construção de políticas públicas em benefícios do setor. A reunião ocorrerá no dia 06 de julho de 2011 às 18h: 30m nas instalações da Câmara Municipal de São João da Barra.

domingo, 12 de junho de 2011

Remuneração média de empregos formais na Região Norte Fluminense em 2010

O Ministério do Trabalho e Emprego publicou os valores correspondentes a remuneração média de empregos formais em 2010. Conforme tabela, Macaé apresenta uma posição de liderança, com uma remuneração média de R$4.111,80 enquanto Conceição de Macabu apresenta a menor remuneração no valor de R$902,57. O município de Quissamã apresenta a segunda maior remuneração no valor de R$1.455,70 que é superior ao valor de R$1.392,97 de São João da Barra.


O gráfico ao lado apresenta a variação da remuneração média de empregos formais em 2010, com base em 2009, nos municípios da Região Norte Fluminense. São Fidélis apresentou o maior crescimento com uma taxa de 16,17%, seguido por São Francisco de Itabapoana com um crescimento de 15,11%. São João da Barra apresentou um crescimento de 4,94% e Campos dos Goytacazes apresentou um cresceimento de 9,74%.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Exportação de minério de ferro em maio

As exportações brasileiras de minério de ferro refletem bem o interesse pelo porto do Açu. A trajetória das receitas em dólares segue com crescimento consistente. Em maio, foi registrado um crescimento de 42,1% nas receitas, comparativamente a janeiro do mesmo ano. O volume exportado em toneladas também apresentou uma trajetória de crescimento, indicando um incremento de 16,2% em maio, com relação a janeiro deste ano. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, as receitas de maio de 2011 superaram em 64,7% as receitas do mesmo mês no ano passado. O volume negociado cresceu 12,7% no mesmo período.


O gráfico ao lado, apresenta a trajetória dos preços praticados ao logo deste ano. O valor de venda em maio cresceu 22,2% em relação ao valor praticado em janeiro. Na avaliação do preço de maio de 2011 em relação ao preço de maio de 2010, verificou-se um crescimento de 45,98%. A valorização dessa commodity em um ano, considerando o preço em dólar, explica muito a movimentação em torno do complexo portuário do Açu.

Pensar São João da Barra: é essencial...

PARA REFLETIR!

Momento da audiência pública para licença ambiental da siderúrgica Ternium em São João da Barra. Investimento de US$12,4 bilhões.



* Indiferença da população e dos orgãos de comunicação

*************************************
Violência, desrespeito e agressão física em reunião do Legislativo (propositalmente não reproduzirei nenhuma imagem)
* Ampla cobertura jornalística
* "Participação" substancial da população com torcida presente ao ato
* "Participação" substancial da população, com muitos comentários desqualificados, nas redes sociais.


O que a sociedade está construindo para esta cidade?

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Movimentação do açúcar em bruto brasileiro no comércio exterior

O mês de maio manteve a trajetória de crescimento da receita em dólares e do volume em toneladas das exportações brasileiras de açúcar em bruto no comércio exterior. Entretanto, os preços praticados ao longo desse ano, não apresentaram a mesma dinamica. Em maio, foi verificada uma queda de 8,79% em relação a abril, cujo valor alcançado por tonelada atingiu o menor nível nos cinco primeiros meses do ano.

Na comparação entre os indicadores de exportação de maio de 2011, comparativamente a maio de 2010, verificou-se uma queda de 0,73% nas receitas em dólaraes, uma queda de 19,1% no volume em toneladas e um crescimento de 22,61% nos preços praticados por tonelada.


O gráfico ao lado apresenta a trajetória do preço US$/ton no período de janeiro a maio de 2011. Observa-se que depois da evolução ascendente no período de fevereiro a abril, houve uma queda em maio que jogou o valor para o nível mais baixo deste ano.




terça-feira, 7 de junho de 2011

São João da Barra recebe audiência pública para implantar siderúrgica

Foi realizada, nas instalações do CIEP, audiência pública para a implantação do projeto Siderúrgica Ternium Brasil em São João da Barra. O projeto compreenderá um conjunto de unidades industriais, com base tecnológica, para produzir pelotas de ferro e aço em forma de placas, chapas, laminados e bobinas. O investimento global ocorrerá em quatro fases ao longo de 14 anos e somará a importância de US$12,4 bilhões.

Segundo o relatório de impacto ambiental, no pico de obra da fase de construção, o projeto empregará 18.000 pessoas e quando todas as instalações já estiverem implantadas e operando, serão 11.075 trabalhadores.

A audiência pública seguiu segundo o rígido formato, onde empreendedor e técnicos da empresa responsável do estudo de impacto explicam o projeto, em regra geral, não identificam impactos negativos importantes, já que os modelos matemáticos parecem resolver possíveis problemas, e quando alguns aspectos ficam mais visíveis, surgem medidas compensatórias de carater muito geral e subjetivas.

Entretanto, muito importante foi o contato direto com os representantes da empresa os quais, muito receptivos, se colocaram a disposição para novos contatos, visitas a sua unidade de Pindamonhangada em São Paulo e, sobretudo, garantia de evolução no processo de comunicação com a sociedade.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Qualificação profissional: discurso ou compromisso?

Se a qualificação do cidadão para o trabalho está no aprimoramento de suas habilidades para executar funções específicas que são demandadas pelo mercado, o sucesso do processo passa a depender da qualidade do ensino fundamental e médio. Aliado a essa afirmação, há de se considerar o desvio de foco dos municípios no apoio a formação de terceiro grau, como observado na Região Norte Fluminense.

Na região específicamente, verifica-se um quadro emblemático. De um lado um consistente afluxo de investimentos em andamento e em planejamento para as atividades de petróleo, portos, siderurgia, construção naval, dentre outras, com uma forte demanda por mão-de-obra qualificada e do outro lado, a fragil percepção do poder público constituido, no que diz respeito a necessidade de planejamento e adaptação do território as presentes mudanças.

Nesse contexto de pratica de abandono do ensino fundamental e apoio a formação de terceiro grau, surge uma vácuo importante que destrói a possibilidade de inserção de uma parcela razoável de trabalhoares locais nesses investimentos. A fragilidade do ensino fundamental dificulta o processo de qualificação por despreparo do aluno, enquanto o esforço na formação de terceiro grau não rende a produtividade esperada, já que o despreparo do aluno, aliado a qualidade questionável do ensino superior nas faculdades particulares e nem sempre uma escolha adequada da profissão, são fatores conflitantes com as qualificações exigidas do mercado.

Os presentes investimentos exigem mão-de-obra altamente especializada e com experiência, segundo os padrões do mundo moderno do trabalho. A história da educação na região mostra um certo distanciamento em relação ao novo momento que se constrói e o indicador do IDEB, através das notas obtidas pelos municípios da região em 2009, para o ensino fundamental até a quarta série e de quarta a oitava série, nas escolas de responsabilidade do município, ajudam a entender melhor este quadro tão preocupante.



quinta-feira, 2 de junho de 2011

Movimentação bancária em março na Região Norte Fluminense

Os saldos das operações bancárias em março são apresentados na tabela ao lado. A variação mais acentuada foi registrada em São João da Barra, onde o saldo de depósito a prazo cresceu 26,39% em relação ao mês de fevereiro. Comparativamente ao mesmo mês do ano passado, verifica-se um crescimento de 119,62%. Esse indicador mostra a existência de uma massa de recursos que evolui fortemente e parece muito concentrado, já que não apresenta compatibilidade com os saldos de crédito. Observe que São Fidélis apresenta um saldo de crédito no valor de R$86,5 milhões, enquanto São João da Barra apresenta um valor de R$24,4 milhões. Entretanto, nos depósitos a prazo, enquanto São Fidélis apresenta um saldo no valor de R$8,2 milhões, São João da Barra apresenta um valor de R$71,7 milhões.