Refletindo sobre as ações de apoio ao setor sucroalcooleiro em Campos dos Goytacazes

O fundo financeiro, criado pelo município de Campos dos Goytacazes, para apoiar o setor sucroalcooleiro é importante. Entretanto, é essencial que os agentes locais tenham um melhor entendimento sobre novas estratégias de organização produtiva, mais adequadas à realidade local. O Laboratório de Engenharia de Produção da UENF tem estudado o processo de decadência econômica do setor e indicações fortes sobre o papel do capital intangível, têm se acentuado. Está muito claro que somente a combinação de variáveis econômicas materiais são insuficientes para solucionar os problemas que afligem o setor, já que o sistema se compõe de pequenas propriedades agrícolas com escala insuficiente, altos custos operacionais e baixa produtividade. Essa combinação associada às dificuldades do parque fabril, dificilmente permite inserção no corrente sistema de acumulação capitalista, onde predominam a alta escala de produção, grandes investimentos e alta produtividade, a exemplo de regiões como: São Paulo, Paraná, Mato Grosso e Góias. A literatura econômica tem indicado uma organização produtiva diferenciada para situações semelhantes a do Norte Fluminense. Neste caso, a integração do capital intangível ao capital tangível tem possibilitado uma melhor inserção ao sistema capitalista. Efetivamente, antes de disponibilizar recursos financeiros é necessário tratar o ambiente sócio-cultural, de forma a possibilitar um processo de melhoria no tecido social. Este sim, poderá induzir à necessária cooperação e reciprocidade entre os atores locais, elementos fundamentais para o aumento da escala, da produtividade e da competitividade, cujo fundamento de base é a ação coletiva. A organização da COAGRO pode ajudar nessa reflexão.

Comentários

  1. Professor, sempre me pergunto, porque insistimos tanto em cana?

    Temos muita terra. Muita água boa. E mercado em crescimento.

    Porque não investimos numa agricultura mais intensiva, com mais tecnologia, renda e empregos?

    Vítor Cunha - Quissamã

    ResponderExcluir
  2. Vitor, penso que o problema não é a atividade econômica em si e sim a organização da atividade. Qualquer ramo, especialmente no setor agropecuário, pelas caracteríscas de nossa região, é essencial discutir o tipo de organização produtiva. As propriedades individualmente são pequenas e não permitem escala para atender o mercado. Associado a essa dificuldade, os proprietários apresentam deficiências gerenciais,financeiras e tecnológicas. Nesse caso, a saida está na cooperação e na capacitação setorial em torno do processo de agregação de valor aos produtos. O leite precisa ser transformado em queijos, doces, etc. A cana precisa ser transformada em açúcar mascavo, cachaças finas,dentre outros produtos para atender nichos específicos de mercado, gerando trabalho e renda na região. É claro que estratégias dessa natureza exigem alto conhecimento. O improviso não resolve.
    Vitor muito obrigado pela intervenção, um grande abraço de Alcimar Chagas

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelo retorno, professor.

    A fruticultura e a olericultura também parecem interessantes para as pequenas propriedades. A grande dificuldade parece ser a comercialização; planejar e organizar a produção visando atender as necessidades do mercado consumidor...

    Abraços

    Vítor

    ResponderExcluir
  4. É verdade Vitor. A organização da atividade, de forma sistêmica, permite solucionar os problemas citados por você. Abraços, Alcimar

    ResponderExcluir
  5. Oi, professor

    Creio que o caminho para nossa região, dada a sua especificidade, como o senhor comentou acima, perpassa pelo investimento na agricultura familiar abrindo setores para a absorção de seus produtos através da merenda escolar e outros tipos de incentivos locais, como se tem visto em outras regiões. Mas acima de tudo é preciso trabalhar para formar um capital social,pois sem ele é muito difícil as coisas darem certo.

    Um abraço,

    Dilcéa Smiderle

    ResponderExcluir
  6. É verdade Dilcéa,a Lei da merenda escolar abre uma grande oportunidade para o inicio de um processo de organização produtiva, baseada na ação coletiva. Neste caso, a indução a construção de capital social é essencial, já que a governança adequada para viabilizar atividades econômicas de pequeno porte depende, fundamentalmente, da interação entre os diversos atores interessados no espaço socioeconômico.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

São João da Barra: uma coletividade oprimida politicamente que dá sinais de reação

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra