quarta-feira, 30 de junho de 2010

Opções de financiamento pelo BNDES

Em palestra muita concorrida por pequenos empresários, na sede da FIRJAN, em Campos dos Goytacazes, técnicos do Banco Nacional de Desenvolvimento Social – BNDES fizeram exposição sobre as principais operações de financiamento para pequenas e médias empresas. Neste cenário de forte aquecimento da economia, fontes de recursos com custo compatíveis são fundamentais. Como sabemos, os recursos disponíveis nos bancos privados são escassos e muito caros. Os seguintes produtos foram divulgados nesta ocasião:

 BNDES Finame:

Aquisição de máquinas e equipamentos e capital de giro

 BNDES PSI Bens de Capital:

Aquisição de máquinas e equipamentos, capital de giro, aquisição de ônibus, caminhões, reboques, etc.

 BNDES Automático:

Financiamento de obras civis, montagens e instalações; móveis e utensílios; gastos com projetos; despesas pré-operacionais; treinamento de pessoal; capital de giro; máquinas e equipamentos novos e usados.

As operações ainda são concedidas com carência e uma taxa média de juros em torno de 10% ao ano. Importante ainda é que a garantia, considerada como problema, pode ser resolvido por meio de mecanismos estabelecidos.

Endereços importantes para consulta:
www.bndes.gov.br/bndesfiname
www.bndes.gov.br/apoio/psi
www.bndes.gov.br/bndesautomatico

Divulgação de Evento


Por solicitação, estamos divulgando o evento "Amazônias: mudanças sociais e perspectivas para para século XXI".

Núcleo de Altos Estudos Amazônicos - NAEA/UFPA Sala 208
Rua Augusto Corrêa, n. 1 - Cidade Universitária Prof.José Silveira Neto
Setor Profissional CEP: 66075-900 Belém-Pará-Brasil
Fone: (91) 3201-8515 e 8514 FAX: (91) 3201-7677
e-mail: sbsnorte2010@ufpa.br
Acesse nosso blog: sbsnorte.blogspot.com

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Democracia e Direito de Propriedade: ações contraditórias em São João da Barra

O direito de propriedade, dentre outros, constituem a base da democracia, regime que norteia as relações de vivência no Brasil. E São João da Barra? É Brasil, porém as últimas notícias sobre desapropriação no quinto distrito indicam um caminho em outra direção. Nossa análise se baseia na publicação do jornal O Diário sobre o ato de desapropriação, promovido pelo Estado, de uma proprietária de 94 anos. Nenhum aspecto sociocultural foi levado em conta por esta decisão coercitiva e o valor atribuído à propriedade é simplesmente um escândalo. Uma área de 7.173 m2 desapropriada por R$ 178 mil, ou seja, R$ 24,81 por m2. Outra aberração é a finalidade da ação. Para uso de empresas ricas que não precisam de áreas desapropriadas de trabalhadores que dedicaram uma vida em atividades agrícolas de subsistência e criando os seus filhos com extrema dificuldade. É importante entender que o atual momento de transformação constrói um processo inflacionário, onde os preços da terra sobem fortemente em função da especulação imobiliária na área urbana e rural. A expectativa é de que os desapropriados passem por dificuldades neste novo contexto que se forma, já que a sociedade local se apresenta desestruturada, onde somente grupos políticos conseguem se articular em defesa de seus interesses. Sem mudanças mais consistentes, o cenário futuro é preocupante.

sábado, 26 de junho de 2010

PALESTRA NO BISTRÔ GALERIA DISCUTE O NOVO CICLO ECONÔMICO E POLITICA EMPRESARIAL EM SÃO JOÃO DA BARRA











Empresários de São João da Barra se reuniram no Bistrô Galeria, nesta sexta 25/6, para discutir a economia local. O economista Alcimar Chagas proferiu palesta sobre a atual conjuntura econômica regional e suas perspectivas. A objetivo da palestra foi disseminar informações importantes sobre os reflexos atuais e futuros dos investimentos atuais e em planejamento. Mais especificamente, o Complexo Portuário do Açu, Barra do Furado e Presidente Kennedy. Como resultado do debate, foi consensual a visão de que o segmento precisa fortalecer a sua representatividade de forma a internalisar um maior poder de barganha no contexto das negociações atuais. Com o advento do porto, as oportunidades de negócios são pouco aproveitadas pelas empresas locais, dado a inexistência de uma melhor organização da política empresarial. Segundo os participantes, o exercício do debate em encontros dessa natureza facilita um melhor entendimento sobre a necessidade de maior participação nas entidades representativas do segmento e, fundamentalmente, na implementação de ações coletivas em benefício da classe empresarial e, consequentemente, para a sociedade local, já que as empresas são responsáveis pela geração de riqueza e emprego.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

A NATUREZA DO EMPREGO NA REGIÃO NORTE FLUMINENSE

A economia brasileira, vista pelas lentes do emprego, apresenta uma dinâmica importante e consolida uma tendência de crescimento mais robusto para este ano. O mesmo indicador também é uma referência de crescimento econômico para a Região Norte Fluminense, que aproveita o momento de recuperação dos efeitos da crise financeira internacional que afetou os investimentos em 2009. O setor petrolífero em Macaé responde positivamente aos investimentos neste ano, assim como o complexo portuário do Açu alimenta o processo de geração de emprego em São João da Barra.

O município de Campos dos Goytacazes se apresenta como referencia nacional na geração de emprego em maio. Segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego, o saldo de emprego no município ocupa o sétimo lugar no país, indicando a entrada de 3.854 novos trabalhadores no mercado com carteira assinada. Esses dados são importantes, entretanto avaliar a base estrutural do emprego é essencial.

O gráfico a seguir apresenta os saldos acumulados de emprego nos municípios da região:











É importante observar que a natureza do emprego na região não apresenta um perfil de sustentabilidade, exatamente, pela fragilidade dos sistemas econômicos que não oferecem garantia de rendimentos crescentes à escala. Na verdade, o emprego é dependente de investimentos exógenos, os quais geram externalidades, dificilmente apropriadas pelos agentes locais. Macaé é um caso típico. O território combina geração de riqueza com intensa pobreza. A mesma situação é experimentada por São João da Barra, cujos investimentos ainda na fase de construção do porto, tem gerado oportunidades e indicativos de ausência de qualificação local para uma melhor adaptação ao presente ciclo de crescimento econômico.

Uma outra situação é a geração de emprego por intervenções públicas de prazo limitado. É o caso de Conceição de Macabu que se destacou na geração de emprego no primeiro trimestre do ano e nos dois meses seguintes, negativou todo o esforço anterior, mostrando claramente um processo de evolução sem sustentabilidade. Quissamã materializa a mesma situação pela inexistência de atividades privadas consistentes.

O município de Campos apresenta uma atividade de base econômica importante, porém em franca decadência. Refiro-me a indústria canavieira que ainda é muito importante para geração de emprego. No ano passado, o resultado do emprego acumulado no município foi negativo, porém de abril a outubro pode-se verificar a potencia desse setor na geração de emprego. Neste ano, o saldo de emprego no mês de janeiro foi negativo por conta do final de safra do ano anterior. De fevereiro a abril, entretanto, o município voltou a apresentar saldos positivos, em torno de 2.000 novas vagas a cada mês, por conta da movimentação no setor de construção civil. Em maio, o saldo na geração de emprego chamou atenção do país, exatamente por conta do inicio da safra do período 2010. Do saldo de 3.854 novas vagas de trabalho no mês, 2.734 (70,9%) são relativas aos trabalhadores da cultura de cana-de-açúcar.

Vejam que é necessária uma maior reflexão sobre a dinâmica econômica regional. A palavra chave é sustentabilidade. É essencial responder a seguinte indagação: Qual é o desenho ideal de uma estrutura organizacional capaz de permitir rendimentos crescentes aos sistemas econômicos locais?





Emprego em Maio nos municípios com menos de 30 mil habitantes na Região Norte Fluminense

A movimentação do emprego nos municípios da Região Norte Fluminense, com menos de 30 mil habitantes, confirma a fragilidade das atividades internas e a dependência local aos projetos externos ou as intervenções governamentais de cunho pontual. O município de Conceição de Macabu é um bom exemplo de evolução do saldo de emprego em função de obras públicas de curta duração. Depois de apresentar um saldo positivo de emprego no primeiro trimestre do ano, os meses de abril e maio foram suficientes para negativar os bons resultados anteriores. No acumulado até maio, o município apresenta um saldo negativo equivalente a 157 vagas de trabalho destruídas.
O município de Quissamã, apresenta um bom resultado de emprego nos primeiros cinco meses do ano, porém extremamente concentrado nos serviços públicos.
São João da Barra, experimenta um processo dinamico da iniciativa privada, entretanto, totalmente dependente de projetos exógenos. O bom resultado apresentado é fruto das operações de construção do complexo portuário do Açu. É importante o entendimento de que esses projetos são importantes, entretanto o desenvolvimento local sustentável depende de uma melhor dinamica interna, potencializada pelo aumento da produtividade e competitividade das atividades econômicas locais.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Receita de Petróleo e Participações Especiais na Região Norte Fluminense

A tabela ao lado apresenta os valores de royalties creditados no mês de junho em favor dos municípios da Região Norte Fluminense. Campos dos Goytacazes ficou com a maior parcela no valor de R$43,3 milhões, seguido por Macaé com o valor de R$31 milhões. São João da Barra recebeu R$8,6 milhões e Quissamã R$6,3 milhões. A coluna à direita apresenta os valores acumulados até junho deste ano. Complementarmente, os municípios produtores de petróleo receberam parcelas correspondentes a participações especiais, apresentadas no gráfico a seguir:
A soma das parcelas de royalties e participações especiais creditadas nesse semestre, no município de Campos dos Goytacazes, somaram R$603,0 milhões. Macaé recebeu R$240,7 milhões, São João da Barra recebeu R$98,2 milhões e Quissamã recebeu R$48,4 milhões.
Esses valores materializam muito bem a substancial dependência orçamentária dos municípios produtores de petróleo a receita de royalties, o que é muito preocupante.

CIDAC E FIRJAN PROMOVEM DEBATE SOBRE LOGÍSTICA PARA A REGIÃO

Mais uma importante ação do Centro de Informações e Dados de Campos dos Goytacazes- CIDAC, dirigido pelo economista Ranulfo Vidigal, dinamiza o debate econômico sobre a região. Numa parceria entre o CIDAC e a FIRJAN, especilialistas em logística discutirão o novo desenho da Região Norte Fluminense em mesa redonda na Firjan, no dia 24 às cinco da tarde. Parabéns a essas instituições que entendem perfeitamente o seu papel no contexto do desenvolvimento regional.

Emprego em maio nos municípios com mais de 30 mil habitantes na Região Norte Fluminense

A movimentação do emprego no mes de maio, nos municípios com mais de 30 mil habitantes, na Região Norte Fluminense, confirma a importancia do setor agropecuário. O município de Campos dos Goytacazes lidera a geração de emprego com um saldo líquido de 4.771 novas vagas nos primeiros cinco meses do ano. O saldo da agropecuária em maio foi 1.611 novas vagas, seguido pela indústria de transformação com 1.527, construção civíl com 353 e o comércio com 198 vagas. O município de Macaé apresentou um saldo líquido de 1.836 novas vagas no mesmo período. No mês de maio, a atividade de serviço gerou 562 novas vagas, a industria de transformação 322 e o comércio 185 novas vagas. São Francisco do Itabapoana apresentou um saldo líquido de 463 novas vagas no mesmo período. No mês de maio, o setor agropecuário foi responsável por 511 novas vagas. São Fidélis, apesar da recuperação no mes de maio, apresentou um saldo consolidado negativo, mostrando dificuldades para gerar emprego.
O gráfico a seguir, apresenta a trajetória de saldos nos primeiros cinco meses de 2010.


sexta-feira, 18 de junho de 2010

Movimentação Financeira em Março de 2010 na Região Norte Fluminense

Os saldos relativos a movimentação financeira de depósitos e operações de crédito nos municípios da Região Norte Fluminense são apresentados aos lado. Na análise comparativa entre a trajetória dos depósitos a prazo (aplicação do público nos bancos) e as operações de crédito (aplicação dos bancos no público), considerando o primeiro trimestre do ano como referência e dezembro de 2009 como base, os resultados são apresentados a seguir:
Campos dos Goytacazes, apesar da queda de 10,67% no saldo de depósito a prazo em março de 2010 com relação a dezembro de 2009, o saldo das operações de crédito apresentou um leve crescimento de 2,44% no mesmo período. Esse resultado indica que os recursos captados localmente pelos bancos são aplicados, demonstrando confiança no sistema econômico. Conceição de Macabu e São Fidélis apresentam uma situação similar.
O municípios de Macaé apresentou um crescimento de 7,45% nos depósitos a prazo no período e um crescimento de 9,57% nos créditos, sinalizando também uma bom estado de confiança. Na contramão estão Quissamã e São João da Barra, que apresentaram forte crescimento nos saldos de depósitos a prazo com consequente queda nos saldos das operações de crédito, representando baixa confiança do sistema econômico para receber a aplicação dos recursos captados localmente, ou seja, fuga de recursos para outros centros financeiros.
O gráfico a seguir mostra essas variações.















quinta-feira, 17 de junho de 2010

PALESTRA SOBRE PNL NO BISTRÔ GALERIA













Considerando a existência de um novo ciclo econômico em evolução no município de São João da Barra, em função do Complexo Portuário do Açu, o Bistrô Galeria cumpre um papel importante como agente disseminador de informação e conhecimento, além do seu objetivo gastronômico.

Nesta quarta feira 16/6, os competentes psicólogos palestrantes Dr. David Rodrigues e Dra. Marcia Saldanha, proferiram palestra sobre a importância da Programação Neorolinguística na vida do indivíduo. Profissionais de diversas áreas estiveram presentes e com muita empolgação acompanharam a explanação dos palestrantes.





terça-feira, 15 de junho de 2010

Palestra no Bistrô Galeria em São João da Barra

O INDESP (Instituto de Desenvolvimento Pessoal de Vitória/ES)
CONVIDA VOCÊ a participar de uma palestra sobre

PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA (PNL)!
A ferramenta mais eficaz disponível no mundo hoje no que se refere à gestão
de pessoas, gerenciamento de stress, comunicação, negociação de conflitos,
relacionamentos e liderança.

A palestra será em São João da Barra
Dia 16 de junho (quarta-feira) às 19:30h
No *BISTRÔ GALERIA*
(Rua Aod Martins nº 180, Nova São João da Barra)
Referência: chegando de Campos em SJB, na estrada que segue para
Atafona, entra na 1ª rua à direita (Rua do Supermercado Líder), segue e
entra na 1ª rua à esquerda, vai até o final e dobre a direita. Logo vai ver
o bistrô.

FAVOR CONFIRMAR SUA PRESENÇA POIS TEMOS LIMITES DE VAGAS
Será uma grande satisfação ter você conosco.
Cordialmente,

Márcia Saldanha
David Rodrigues
Coordenação INDESP Campos
www.indesp.com.br

sábado, 12 de junho de 2010

O Papel do Contexto Social no Desenvolvimento Econômico Local

A moderna literatura internacional trata a questão do desenvolvimento econômico a partir de estratégias endógenas, onde redes de empresas verticais e horizontais são constituídas, possibilitando um maior poder competitivo às aglomerações produtivas. Desde do início do século XX, o economista ingles Alfred Marshall identificou, neste caso, que a influência mútua dos sistemas econômico e social coexistem em uma mesma localidade. Trocando em miúdos, o desenvolvimento de uma localidade depende dos aspectos econômicos (capital financeiro, máquinas e equipamentos, trabalhadores, etc) e também dos aspectos sociais (cooperação, civismo, reciprocidade, respeito as normas, interesse pelas questões públicas, interesse pelo aprendizado, etc). O avanço de uma sociedade a esse estagio depende de incentivos e as instituições locais tem uma grande responsabilidade nesse sentido. O poder público (Executivo e Legislativo) municipal tem que estar engajado ou não haverá evolução econômica e social na mesma localidade.
Nessse aspecto é visível as dificuldades do município de São João da Barra em sua recente trajetória. É evidente a fragilidade social, fundamentalmente, pelo desinteresse do poder público em relação a importantes questões que são essenciais para o desenvolvimento local. Tal comportamento não é compatível à movimentação econômica que evoluirá e transformará o espaço socioeconômico, levando o município a conviver com um quadro perverso que normalmente se compõe de grandes oportunidades no campo econômico e grandes problemas no campo social.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Lançamento do livro A Economia Norte Fluminense em São João da Barra

Será lançado nesta sexta feira, às 17 horas, no Palácio da Cultura Carlos Martins em São João da Barra, o livro "A Economia Norte Fluminense: análise da conjuntura e perspectivas" do autor Alcimar das Chagas Ribeiro.
O livro, viabilizado pela parceria CIDAC / UENF, discute temas importantes como: Produto Interno Bruto, Atividade Agrícola, Valor Adicionado no Comércio, Operações Financeiras, Emprego e Gestão Orçamentária nos nove municípios da Região Norte Fluminense.
A programação contará com a cerimônia de abertura, palestra sobre o novo ciclo econômico regional em função do complexo portuário do Açu, debates e distribuição dos livros. A sociedade sanjoanense está convidada.

Uma oportunidade para fortalecer o campo

A Lei da Alimentação Escolar define que 30% do Orçamento do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) deve ser utilizado para adquirir alimentos dos agricultores familiares nos municípios da federação. A iniciativa é importante, apesar de que tal fato deveria ser uma pratica comum. Incentivar as atividades agrícolas nos municípios é essencial para a manutenção da população rural nos seus espaços, além da garantia de melhoria das condições de vida desses trabalhores e suas familias.
De qualquer forma trata-se de uma ótima oportunidade para os municípios planejarem melhor o setor agrícola municipal. Já que deve haver uma esforço nesse sentido, o ideal seria não usar somente 30% e sim o máximo possível, tentando substituir as compras externas por produção local incentivada.
Assim, é necessário o envolvimento de outros atores nesse processo. É preciso construir as bases para que o novo sistema possa funcionar. Neste caso, faz-se necessário um processo de organização produtiva para organizar a oferta de alimentos, cuja escala é maior do que a capacidade de produção individual. Um outro elemento, diz respeito a criação de etapas produtivas para orientar o processo de agregação de valor, em função do melhor aproveitamento do produto específico. Por exemplo, o leite pode ser consumido in natura, como manteiga, queijo, doces, qualhada, ricota, etc. Nesse sentido, o conhecimento é fundamental e a pesquisa e a extesão devem compor a estrutura.
Finalmente, a abordagem aos produtores é o elemento essencial. Afinal, esses trabalhadores precisam entender muito bem esse novo modelo. Entretanto, essa relação não é tão simples como normalmente se pensa. A desconfiança desses atores nas instituições é real e o resgate de uma relação mais propícia ao novo momento é uma empreitada estritamente profissional. Grupo de pesquisadores com perfil multidisciplinar deve agir nesse sentido. Afirmo que não é tarefa para amador.
Os dados acima mostram os valores transferidos pelo governo Federal em 2009 e 2010, referentes ao programa de merenda escolar. Conforme pode verificado são valores importantes que representam 2,21% do PIB agropecuário da Região NorteFluminense.
A garantia de uma melhor adaptação do campo as atividades industriais e de base tecnológica, depende de uma melhor profissionalização da gestão pública. Conforme podemos verificar, recursos financeiros e tecnológicos não representam restrições ao processo. O problema é o distanciamento entre a vertente partidária e a vertente técnica.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Exportação de minério no período janeiro / maio de 2010




A evolução da exportação de minério de ferro brasileira respondeu positivamente as pressões sobre o necessário aumento de preço contratutal. Mesmo com os protestos da China, maior parceiro comercial da commodity, o valor monetário das exportações apresentaram crescimento importante nos cinco primeiros meses do ano. Em fevereiro o crescimento foi de 21,1% em relação a janeiro, março registrou um crescimento de 22,7% em relação a fevereiro, abril registrou um crescimento de 0,7% em relação a março e em maio o crescimento foi de 52,1% em relação a abril. O volume comercializado também apresentou crescimento, porém mais tímido do que o valor monetário. Em maio o volume comercializado foi maior 9,7% do que o volume exportado em abril. O gráfico acima apresenta a trajetória do preço médio praticado por tonelada/dólar.

Exportação de Açúcar Bruto do Brasil de janeiro a maio de 2010




A exportação de açúcar bruto apresentou boa recuperação em maio. Depois de ter contabilizado queda do volume comercializado em fevereiro, março e abril, comparativamente ao mês de janeiro, o mês de maio registrou um crescimento de 68,6% em relação ao mês anterior. O valor monetário das exportações acompanhou a mesma trajetória. O crescimento em maio foi 61,9% comparativamente ao mês anterior. Quanto ao preço médio praticado, foi verificado um crescimento no primiero trimestre e uma queda nos dois meses subsequentes. O gráfico acima apresenta a trajetória do preço em dólar nos cinco meses de 2010.

sábado, 5 de junho de 2010

Exposição Agropecuária em Conceição de Macabu


Registramos com grande prazer a nossa participação na abertura oficial da 26ª Exposição Agropecuária em Conceição de Macabu, nesta quinta feira 3/6, a convite da prefeita Tedi. Uma cidade simpática com um rico potencial de recursos naturais para as atividades do agro turismo. Belas montanhas e cachoeiras que permitem a possibilidade de variadas praticas de esportes radicais ou simplesmente a contemplação desses elementos da natureza tão fundamentais para o descanso. Essas oportunidades estão bem claras para a prefeita que busca de forma incessante dar uma maior visibilidade a esse potencial e atrair investidores interessados.

Quanto ao evento, pudemos verificar a sua importância para a economia local. A pecuária representa uma atividade econômica que acompanha a história do município, mantendo até os dias de hoje um volume de negócios importantes em termos de renda. Sem dúvida, o campo foi o grande homenageado nesta noite, onde também sobressaíram as atividades da lavoura temporária, especificamente o cultivo de mandioca e cana-de-açúcar e a lavoura permanente, especialmente no cultivo de banana, coco, café e limão.

Os indicadores correspondentes as presentes atividades foram apresentados na palestra de lançamento do livro “A Economia Norte Fluminense - Análise da Conjuntura e Perspectivas”, pelo seu autor o economista Alcimar Chagas Ribeiro.

A apresentação ainda mostrou que apesar das restrições orçamentárias que dificultam o investimento público, o município vem obtendo importantes resultados. Vale lembrar que Conceição de Macabu pode ser considerado como o primo pobre da microrregião, já que não recebe os opulentos recursos de royalties que entram no caixa dos seus vizinhos.

Dentre os bons resultados, a produtividade calculada pela receita em reais por hectare na atividade agrícola temporária é a maior da Região Norte Fluminense e o índice de ICMS verde que representa o esforço de proteção ao meio ambiente, foi o maior da região em 2009, o que possibilitou um aumento na transferência do mesmo imposto.

Em função da identificação desse potencial, entendemos que a busca do processo de desenvolvimento econômico no município deve considerar estratégias que permitam a formação de aglomerações produtivas e a indução à construção de elos de cadeias produtivas setoriais. Neste caso a cooperação e a reciprocidade entre os atores produtivos são essenciais, além do papel empreendedor do governo local para potencializar negócios, empregos e renda.

Nas fotos, a prefeita Tedi em família e o veredor Guta e convidados.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Saldos das operações bancárias em fevereiro na Região Norte Fluminense

Os saldos das operações bancárias em fevereiro nos municípios da Região Norte Fluminense são apresentados na figura ao lado. Campos dos Goytacazes, com um sistema financeiro mais representativo na região, apresentou um saldo de operações de crédito da ordem de R$836 milhões, um saldo de depósito a prazo de R$734 milhões e um saldo de depósitos a vista de R$219 milhões.

Macaé, com o segundo maior sistema financeiro da região, apresentou um volume de operações de crédito de R$624 milhões, depósito a prazo de R$275 milhões e depósitos a vista de R$332 milhões.

Avaliando o nível de preferência pela liquidez do público e dos bancos, podemos verificar que Campos dos Goytacazes apresenta melhores condições, segundo a natureza desses indices. Conceitualmente, quanto menor o índice de prefência pela líquidez maior a confiança e melhor é a estrutura do ambiente econômico analisado. Quer dizer o público confia e transfere recursos para o sistema bancário, enquanto os bancos confiam e aplicam seus recursos no ambiente econômico local.
O gráfico abaixo apresenta os indicadores para os municípios da região.