terça-feira, 25 de maio de 2010

Royalties em Maio na Região Norte Fluminense

A Associação Nacional de Petróleo - ANP, divulgou ontem os valores de royalties creditados nas contas dos municípios da Região Norte Fluminense. Campos dos Goytacazes recebeu R$42,6 milhões, valor 11% maior do que o valor recebido em abril. Carapebus recebeu R$R$2,3 milhões, valor 11,2% maior do que o valor recebido no mês passado. Macaé recebeu R$31,2 milhões, valor 10,9% maior do que o valor recebido em abril. Quissamã recebeu R$6,3 milhões, valor 11,6% maior do que o valor recebido no mês anterior e São João da Barra recebeu R$8 milhões, valor 16,9% maior do que o valor recebido no mês de abril. Complementarmente, os valores acumulados de royalties no período de janeiro a maio são dispostos na segunda coluna da tabela, correspondentes aos nove municípios da região.

Refletindo sobre o Novo Ciclo Econômico Regional

















O Bistrô Galeria reuniu um grupo de empresários, em um jantar, para discutir o novo ciclo econômico na Região Norte Fluminense, em decorrência dos investimentos do complexo portuário do Açu. O professor Alcimar Chagas proferiu palestra analisando o novo ciclo econômico à luz do contexto histórico e mostrou enfaticamente a necessidade de implementação de estratégias para induzir a mudança nas praticas de trabalho e incentivar a passagem dos processos operacionais no contexto individual para o contexto coletivo. O professor indicou um modelo de capacitação local, a partir da identificação dos recursos locais tangíveis e intangíveis e o uso de uma metodologia de pesquisa que integra o conhecimento formal ao conhecimento informal. Segundo o professor é urgente a necessidade de ações coletivas para inserir a sociedade no processo de transformação que vem de fora para dentro. A boa participação dos empresários enriqueceu o debate e ficou a promessa de desdobramento em outros encontros com grupos diferentes, de forma a manter o projeto de disseminação de informações importantes inerentes ao processo de transformação na sociedade local.

A política de Assistência Social no Brasil

O IBGE divulgou pesquisa mostrando que 99,9% dos municípios brasileiros declararam possuir, em 2009, estrutura organizacional para tratar da política de assistência social. Apesar da consistente abrangencia, os processos de gestão e fiscalização são frágeis.
Os serviços sociais foram desdobrados em serviços de proteção básica e serviços de proteção especial. Os serviços básica, declarados em 97,9% dos municípios, são dirigidos para as familias e indivíduos em situação de vulnerabilidade social, em função de condicionantes como: pobreza, acesso precário aos serviços públicos, fragilidade de vínculos afetivos, relacionias e de pertencimento social.
Os serviços especiais, declarados em 87,6% dos municípios, são dirigidos para situações que caracterizam violação de direitos, tais como: abandono, violência, maus tratos e exploração sexual.
Dentro desse grupo, os serviços de alta complexidade são pouco presentes. O gráfico acima, indica que os serviços de acolhimento a crianças e adolescentes são realizados por 24,5% dos municípios, o acolhimento aos idosos ocorre somente em 20,6% dos municípios, o acolhimento a populção de rua ocorre em 5,2% dos municípios e o acolhimento de mulheres ocorre em somente 2,7% dos municípios.
Esse quadro reforça a visão que de a gestão dos recursos públicos em qualquer área precisa de um melhor planejamento e uma visão sistema do problema. O empirismo no trato de questões tão importantes inibe os resultados das inversões.

domingo, 23 de maio de 2010

O PERFIL DO EMPREGO NA REGIÃO NORTE FLUMINENSE

A trajetória de recuperação da economia brasileira, posterior à crise financeira nos Estados Unidos, no final de 2008, reflete positivamente na movimentação de emprego da Região Norte Fluminense. Depois da retração no nível de investimento privado no segundo semestre de 2009, especialmente na indústria petrolífera em Macaé e no complexo portuário do Açu em São João da Barra, o ano de 2010 volta a apresentar uma trajetória de evolução positiva com um importante incremento dos saldos de empregos na região.

O gráfico acima chama a atenção para a evolução do emprego nos municípios de Campos e Macaé neste ano, através dos saldos de novas vagas de trabalho formal criadas nos primeiros quatro meses. Depois de amargar saldos negativos em 2009 - Campos com 183 e Macaé 87 vagas destruídas – o resultado do quadrimestre é extremamente positivo, onde Campos dos Goytacazes apresentou um saldo de 917 e Macaé um saldo de 896 novas vagas.

As ocupações que predominaram em Campos dos Goytacazes estão ligadas à construção civil e ao setor de serviços. Os investimentos públicos para a construção de cassa populares somados aos recursos investidos na infraestrutura do município, têm sido fundamentais para esse contexto.

Em Macaé, as ocupações responsáveis pelo saldo positivo estão relacionadas à indústria de transformação e as atividades de serviços. A melhor dinâmica na geração de emprego em Macaé confirma a trajetória de recuperação da economia nacional, já que o número de empresas estrangeiras que operam na região é substancial.
A movimentação do emprego nos municípios com menos de 30 mil habitantes, mantém São João da Barra na liderança, no que diz respeito à criação de novas vagas. Em abril, o município abriu mais 34 novas vagas de emprego, contabilizando um saldo de 460 novos empregos no ano. As ocupações mais relevantes nesse processo são do setor de construção civil, em função dos investimentos no complexo portuário do Açu. Estas atividades demandam, especialmente, serventes de obras, motorista de caminhão e carpinteiro.

O município de Quissamã mantém um bom saldo de trabalho no ano, entretanto as ocupações predominantes apresentam uma outra natureza. São investimentos públicos nas ocupações de professor de ensino fundamental e salva vidas. Observa-se certa dificuldade na atração de investimentos privados.

O município de Conceição de Macabu apresentou uma trajetória crescente na geração de emprego no primeiro trimestre do ano, porém em abril contabilizou um saldo negativo de 122 vagas perdidas. O forte processo de desligamento no mês indica a finalização de um processo de trabalho no setor de construção civil, já que as ocupações envolvidas são serventes de obras, montador de estrutura metálica e carpinteiro.

Finalmente os municípios de Cardoso Moreira e Carapebus, apresentam uma movimentação de emprego mais geral. Ocupações nas áreas de transporte, agropecuária e construção civil constituem o saldo positivo de Cardoso Moreira, enquanto que Carapebus registra novas vagas através das ocupações de caixa de bancos, empregado doméstico, vendedor do comércio varejista, gerente de contas e vidraceiro.




sexta-feira, 21 de maio de 2010

A movimentação de emprego nos municípios com menos de 30 mil habitantes na RNF

A movimentação do emprego no mês de abril, nos municípios da Região Norte Fluminense com menos de 30 mil habitantes, mantém São João da Barra na liderança, no que diz respeito a criação de novas vagas. Em abril, o município abriu mais 34 novas vagas de emprego, contabilizando um saldo de 460 novos empregos em 2010. As ocupação mais relevantes nesse processo estão relacionadas ao setor de construção civíl, por conta dos investimento no complexo portuário do Açu. Estas atividades demandam, especialmente, servente de obras, motorista de caminhão e carpinteiro.
O município de Quissamã mantém um bom saldo de trabalho no ano, entretanto as ocupações predominantes apresentam uma outra natureza. São demandas de ordem pública, como: professor de ensino fundamental e salva vidas. Observa-se uma certa dificuldade na atração de investimentos privados.
O município de Conceição de Macabu apresentou um trajetória crescente na geração de emprego no primeiro trimestre do ano, porém em abril contabilizou um saldo negativo de 122 vagas perdidas. O forte processo de desligamento no mês indica a finalização de um processo de trabalho no setor de construção civil, já que as ocupações envolvidas são serventes de obras, montador de estrutura metálica e carpinteiro.
Cardoso Moreira, apresenta uma movimentação de emprego mais diversificada, onde aparecem ocupação nas áreas de transporte, agropecuária e construção civíl.
Carapebus, também apresenta um processo mais diversificado onde aparecem as seguintes ocupações: caixa de bancos, empregado doméstico, vendedor do comércio varejista, gerente de contas e vidraceiro.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

A Recuperação do Emprego na Região Norte Fluminense

O ano de 2010 apresenta uma trajetória de emprego positiva, especialmente nos municípios de Campos e Macaé. Depois de amargar saldos negativos em 2009, Campos com 183 e Macaé 87 vagas destruidas, esses municípios mostram uma boa dinâmica de geração de trabalho.
Em abril, Campos dos Goytacazes gerou um saldo de 917 e Macaé um saldo de 896 novas vagas.
As ocupações que predominaram em Campos dos Goytacazes são ligadas à contrução civil e ao setor de serviços. Os investimentos públicos em casa populares e infraestrutura no município de Campos são fundamentais nesse processo dinamico. Em Macaé, as ocupações responsáveis pelo saldo positivo estão relacionadas à indústria de transformação e as atividades de serviços. A melhor dinamica na geração de emprego em Macaé, confirma a trajetória de recuperação da economia nacional.

O gráfico a seguir, apresenta a trajetória de emprego nos quatro meses do ano para Campos e Macaé.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Execução Orçamentária em Macaé no primeiro bimestre de 2010

Macaé apresentou a execucação orçamentária do primeiro bimestre de 2010. Com um orçamento de receitas correntes previsto em R$ 1,2 bilhão, as transferência correntes representam 58,74% e as receitas próprias representam 27,35%. As despesas correntes, por sua vêz, representam 68,65% das receitas correntes e os salários e encargos equivalem a 50,54% das despesas correntes.
O valor destinado em termos de orçamento para investimentos, somam R$ 227,5 milhões, equivalentes a 19,59% do total das receitas correntes.
A execução do grupo das receitas no primeiro bimestre do ano, indicou a realização de 18,68% das receitas correntes, 17,99% da receita tributária, 21,33% das transferências correntes. No grupo das despesa, foram executadas 29,98% de salários e encargos, 1,13% de investimentos.

terça-feira, 11 de maio de 2010

O NOVO CICLO DE CRESCIMENTO ECONÔMICO NA REGIÃO NORTE FLUMINENSE: UMA PROPOSTA DE INSERÇÃO

A Região Norte Fluminense começa a se acostumar com cifras na casa dos bilhões de reais, em função dos investimentos na indústria petrolífera e, mais recentemente, nos projetos em andamento no complexo portuário do Açu e nas expectativas em relação aos futuros projetos relacionados à construção de termoelétrica, refinaria e outros negócios da mesma magnitude. Tal fato, além das potenciais oportunidades, reforça uma grande preocupação, já que a economia regional baseada em atividades tradicionais é o contra ponto do atual processo que se inicia com base na tecnologia de ponta.

Verdadeiramente esse processo gera externalidades positivas e negativas e a grande questão consiste na seguinte interrogação: “como qualificar o ambiente socioeconômico para internalizar os benefícios das externalidades positivas e combater os reflexos das externalidades negativas”? De certo, as praticas correntes precisam ser repensadas. Propostas como investimento em educação, capacitação profissional, investimento em infraestrutura e planejamento público, são temas de ampla abrangência que auxiliam somente bons discursos. Na verdade é essencial formular estratégias dirigidas a problemas práticos de maneira que ações integradas possam resolver gargalos específicos.

Mais especificamente, uma visão fundamental está definida na flexibilização da teoria da localização e inovação de Michael Porter, que consiste nas seguintes etapas: identificação dos recursos tangíveis e intangíveis localmente (naturais, tecnológicos, financeiros, humanos, gerenciais, culturais, históricos, etc.); construção de programa de capacitação do ambiente sociocultural com base na metodologia da pesquisa-ação; indução a formação de clusters industriais; gerenciamento das ações integradas para garantia do processo de reprodução.

Afirmo não tratar-se de simples importação de modelo. Na verdade a presente formulação já está adaptada e ajustada a nossa realidade regional, enquanto que o processo de abordagem para capacitação do ambiente exige a formação de equipes com conhecimento de natureza multidisciplinar.

Esta formulação constrói as condições para capacitar os atores produtivos, segundo um modelo de organização produtiva de natureza coletiva com a associação de conceitos fundamentais, tais como: cadeia produtiva, economia de aglomeração, divisão do trabalho a partir do território, cooperação e reciprocidade. Paralelamente, a integração das organizações governamentais e não governamentais ocorre em função do processo de articulação das equipes condutoras da metodologia da pesquisa ação.

Na verdade, a presente formulação cria condições para inserir empresas e trabalhadores locais no novo ciclo de crescimento econômico, aproveitando os benefícios inerentes às externalidades geradas pela internalização das economias externas e internas das grandes empresas responsáveis pelos investimentos exógenos. O esforço de integração, por sua vez, promove ações endógenas que são responsáveis por um desenvolvimento econômico local sem os males do crescimento concentrador de riqueza.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

O livro Economia Norte Fluminense provoca debate do mais alto nível sobre aspectos econômicos da Região Norte Fluminense

O lançamento do livro "Economia Norte Fluminense: análise da conjuntura e perspectivas", reuniu importantes lideranças dos cenários político, educacional e econômico do município de Campos dos Goytacazes e região no Teatro Trianon na noite de ontem.
O economista Ranulfo Vidigal, presidente do Centro de Informação e Dados de Campos, falou sobre a importância da parceria entre a universidade, governo e organizações não governamentais, especialmente, no caso do projeto que norteou a materialização do presente livro. Ranulfo ainda traçou um panorama econômico regional baseando a sua argumentação nos investimentos da LLX já em andamento e, em função, de outros projetos potencias em estudo, os quais mudam as estruturas históricas da base economica da região.

Em seguida, o professor Alcimar fez um breve relato sobre a conjuntura econômica regional e sobre os aspectos relacionados ao livro, para em seguida o secretário de desenvolvimento econômico de Campos, Dr. Eraldo Bacelar, fechar a primeira parte do bloco de apresentação.

Na continuidade do evento, foi instalada uma mesa para o debate da atual conjuntura regional, onde pode-se observar um alto padrão de discussão, cujos temas e profundidade não deixaram dúvidas de que a região precisa usar o conjunto de competências de que dispõe para solucionar os problemas inibidores do crescimento. Participaram da mesa, o gerente do Sebare Gilberto Soares, o presidente da Firjan Geraldo Coutiunho, o diretor de pesquisa do IFF Romeu Neto, o presidente do Fundecam Eduardo Crespo, o secretário de desenvolvimento econômico Eraldo Bacelar, o pró reito de extensão Silvério Freitas, o economista Alcimar das Chagas Ribeiro, o secretário de Fazenda Dr. Esquef, os quais apresentaram fundamentais análises sobre a economia da região, sob a coordenação do economista Ranulfo Vodigal, apoiado pela competente Ineida Oliveira.
O evento ainda recebeu brilhantes convidados de São João da Barra e Campos dos Goytacazes.

O consenso extraído do evento é que esse processo de discussão precisa ter natureza permanente, já que definitivamente contribui para uma melhor intervenção do poder público e seus reflexos no bem estra da socieddade.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Primeiro ano de vida do blog "Economia Norte Fluminense"

Estamos comemorando o primeiro aniversário do nosso blog. No dia dois de maio de 2009, postamos a primeira matéria caracterizando a Região Norte Fluminense e, posteriormente, disponibizamos dados e análises para a discussão com os interessados pelo tema. Acreditamos que esta importante tecnologia, que permite a interação por sua natureza dinâmica, possibilitou uma pequena contribuição de nossa parte, em temos da disseminação da informação sobre a região. É importante lembrar que o livro "A Economia Norte Fluminense: análise da conjuntura e perpectivas", que será lançado na próxima quarta feira através da parceria com o Centro de Informação e Dados de Campos - CIDAC, é fruto dessa mesma iniciativa. Mais uma vez queremos agradecer a todos que incentivam este trabalho e esperamos melhorar cada vez mais, de maneira a ampliar a contribuição focada no processo de desenvolvimento da região.
Um grande abraço do amigo,
Alcimar Chagas