domingo, 28 de fevereiro de 2010

Execução Orçamentária em Cardoso Moreira

Cardoso Moreira é o primeiro município da Região Norte Fluminense a depositar no banco de dados da Secretaria do Tesouro Nacional, os dados da execução orçamentária de 2009. A tabela acima indica a previsão, realização e os respectivos percentuais de execução das receitas correntes (tributárias e transferência correntes) e a previsão, execução e percentuais das despesas correntes (pessoal e encargos) e despesas de capital (investimento) no período.
A execução da receita tributária em 128,44% do valor orçado representa um ponto positivo, já que o esforço para aumentar as receitas próprias é essencial. O valor das transferências correntes realizadas, equivalentes a 83,12% das receitas correntes, mostra a forte dependência em relação a essa receita constitucional.
A execução da despesa de pessoal e encargos superou o valor orçado em 2,05% enquanto que o investimento executado alcançou o ínfimo percentual de 12,31%. Esse é o grande gargalo da região: dificuldade na execução do investimento e muita facilidade para executar custeio. Essa pratica inibe o desenvolvimento, já que a região não garante o processo de reprodução por falta das necessidades infra estruturais.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Royalties em Fevereiro na Região Norte Fluminense

Os valores de royalties demonstrados na figura ao lado foram creditados nas contas dos respectivos municípios em 23 deste. Campos dos Goytacazes teve o valor reduzido em 0,05%, Carapebus perdeu 5,7% e Quissamã perdeu 2,67% em relação a janeiro. O valor destinado a São João da Barra cresceu 0,23% e Macaé aumentou a sua receita de royalties em 0,09% no mesmo período. A última coluna expressa os valores acumulados por município no bimestre deste ano.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Saldo de Emprego na RNF


A figura ao lado apresenta os saldos de emprego na Região Norte Fluminense em janeiro deste ano. Campos e Macaé apresentaram os maiores saldos de destruição de emprego na região, enquanto Carapebus, Quissamã e São João da Barra contribuiram com os maiores saldos de criação de novas vagas de trabalho.
Este quadro mostra que a região precisa cuidar melhor das atividades de base. Pensar os recursos e planejar a integração dos mesmos de forma sustentável é saida para dinamizar o emprego a renda e o desenvolvimento local.

Movimentação de trabalho nos municípios com menos de 30 mil habitantes na região

Os menores municípios da região apresentaram uma melhor dinâmica na geração de emprego em janeiro de 2010, na Região Norte Fluminense. Conforme pode-se verificar na figura, Conceição de Macabu liderou a movimentação com 347 admissões no mês contra 84 desligamentos, gerando um saldo positivo de 263 novos postos de trabalho. As ocupações que mais contribuiram no processo de admissão foram: servente de obras com 151 admissões, montador de estrutura metálica com 65, comércio varejista com 12 e montador de fotolito com 12 admissões.
O município de Quissamã, surge logo a seguir com 115 admissões, 22 desligamentos e um saldo positivo de 93 novas vagas. Entretanto, a ocupação mais relevante foi a de salva vidas com 72 admissões, em função do verão.
São João da Barra aparece em terceiro lugar com 144 admissões, 91 desligamentos e um saldo de 53 novas vagas de trabalho. As ocupações mais relevantes foram: servente de obras com 58 admissões, motorista de caminhão com 12, auxiliar de escritório com 7 e pedreiro com 7 admissões no mês.
Os municipiosde Cardos Moreira e Carapebus, também contribuiram com saldo positivo na relação admissões / desligamentos.


quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Movimentação de emprego nos municípios com mais de 30 mil habitantes na RNF

A região Norte Fluminense segue na contra mão do país quando o assunto é a geração de emprego. Enquanto o Brasil apresenta o melhor resultado em um mês de janeiro desde 1992, a região segue destruindo postos de trabalho.
O início do ano para os municípios com mais de 30 mil habitantes na região foi de dificuldades em termos de emprego. Campos perdeu 456 vagas de trabalho formal, sendo a indústria de transformação responsável por contribuir negativamente 726 vagas, a atividade agropecuária com 34 e o comércio com 41 vagas perdidas.
Em Macaé a situação não foi diferente. Foram perdidas 477 vagas e a indústria de transformação contribuiu negativamente com 441, a construção civil com 361 e o comércio com 70 vagas perdidas.
São Fidélis perdeu 63 vagas, sendo a construção civil responsável por 71 e a atividade de serviços por 3 vagas perdidas e São Francisco de Itabapoana perdeu 11 vagas, tendo a agropecuária contribuido com 52 vagas perdidas no mês.
A seguir são apresentados os números relativos as admissões, desligamentos e saldos para cada município em janeiro de 2010.


O blog economia norte fluminense virou livro

Prezados, após uma pequena ressaca de carnaval, estamos de volta para as nossas discussões sobre a economia regional. Quero participar a todos que a nossa experiência ao longo de 2009 motivou a construção de um livro que já está pronto, faltando somente o acabamento. Este livro, organizado em oito partes, apresenta análises sobre a estrutura da região norte, seus município e a riqueza gerada; as atividades econômicas (agropecuária, indústria, comércio e serviços); o sistema bancário e as operações financeiras; a movimentação do trabalho nos municípios; a execução orçamentária e os reflexos das transferências e das receitas próprias e, finalmente, as perspectivas economicas da região.

Mais detalhes serão divulgados depois de fechadas as negociações para publicação. Até...

Exportação de minério de ferro em janeiro

A exportação do minério de ferro brasileiro em janeiro de 2010, seguiu a mesma trajetória de queda do ano passado. Foram negociados no mês 21.081,5 (1.000 toneladas) para um valor monetário de 962,1 (US$ milhões). O preço médio praticado foi 45,6 US$/t. O volume exportado em toneladas caiu 12,84% em janeiro com base em dezembro de 2009 e o valor monetário caiu 12,41% no mesmo período. Esse quadro mostra que o mundo ainda não se recuperou da crise financeira internacional deflagrada no final de 2008.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Exportação de Açucar Bruto

A comercialização do açucar bruto brasileiro no exterior começou o ano em queda. Depois de alcançar um volume de exportação na casa de 1.853 mil toneladas em dezembro de 2009, caindo para 1.228,7 mil toneladas em janeiro, refletindo uma queda de 33,69%. A receita em dólar caiu 27,82% no mês de janeiro em relação ao mês de dezembro. O menor impacto de perda na receita se deu em função da melhora dos preços de negociação. Em dezembro o preço médio chegou a US$/t 402 contra US$/t 417 em janeiro. Um incremento de 3,80%.

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Movimentação Bancária em Novembro na RNF

A movimentação bancária em novembro de 2009, na Região Norte Fluminense, provocou um crescimento importante nos saldos das operações em diversos municípios. Nas operações de crédito, Campos obteve um crescimento de 29,8% em relação ao saldo de outubro, Macaé teve um crescimento de 46,2%, São João da Barra teve um crescimento de 52,9% e Quissamã teve um crescimento de 27,3% nas operações de crédito mesmo período.
Em relação ao depósitos a vista no setor privado, os saldos em novembro superaram de forma substancial os saldos de outubro que tinham declinados, fortemente, em relação a setembro do mesmo ano.
O gráfico a seguir apresenta os percentuais de crescimento dos saldos de depósitos a vista no setor privado para os municípios da região.














O município de Conceição de Macabu apresentou a maior taxa de crescimento nominal de depósitoa a vista do setor privado na região, cresceu 160,45% em novembro com base em outubro. Macaé teve a segunda maior taxa de 82,19%, seguida de São João da Barra com 57,33%, São Fidélis com 36,13%, São Francisco de Itabapoana com 34,19%, Campos dos goytacazes com 28,17%, Cardos Moreira com 22,66%, Quissamã com 20,85% e Carapebus com 18,79%.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

A Gestão Orçamentária de São João da Barra em 2009

A estrutura orçamentária municipal apresenta uma característica de dependência das transferências correntes. A receita tributária que representa o esforço próprio para a geração de arrecadação é frágil, apesar da substancial melhora em função dos investimentos exógenos no complexo portuário do Açu. Até outubro, o valor realizado foi de R$ 8,5 milhões para uma previsão de R$ 8,3 milhões. Esta receita própria representa somente 2,75% das receitas correntes. Se compararmos com as despesas previstas de pessoal e encargos no valor de R$ 67,5 milhões, podemos verificar que esse montante é maior oito vezes do que o valor previsto para a receita tributária no mesmo ano. As transferências correntes, por sua vez, representam 96,48% das receitas correntes.

Um outro indicador importante é o investimento, fator responsável pela construção da infraestrutura física do município e pelas condições do bem estar socioeconômico da população. Neste caso, a gestão também representa problemas, já que o valor previsto para investimentos em 2009, apesar de representar 45,3% das receitas correntes, o município conseguiu liquidar até outubro somente R$ 9,4 milhões, ou o equivalente a 6,93% do total.



segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Arrecadação de ISS em São João da Barra


Os reflexos do complexo portuário do Açu na economia sanjoanense já podem ser ebservados a partir do aumento da arrecadação do Imposto sobre Serviços - ISS. Com o início do projeto no final de 2007, o imposto mais relevante, do conjunto das receitas tributárias, já foi impactado com um crescimento nominal de 35,60% em relação ao ano anterior. Em 2008 as obras evoluiram e diversas empresas de serviços passaram a operar no município. Nesta nova etapa o substancial aumento da tributação chegou a 482,55% em relação a 2007. Em 2009 os investimentos esfriaram em consequência da crise financeira internacional em setembro de 2008, fazendo com as atividades correntes fossem mantidas, aguardando um novo momento de estbilidade econômica, especialmente no exterior, para deslanchar novos projetos.

Nesse contexto, a tributação do ISS em 2009 alcançou a cifra de R$6.640.049,70 até outubro e deverá chegar a R$ 7.968.059,64 (valor estimado pela média mensal) em dezembro. Para se ter uma melhor dimensão de toda esse movimento, podemos comparar a arrecadação do ISS de 2009 (R$7,9 milhões) com a arrecadação de 2005 (750,2 mil). Nesta comparação observamos um crescimento nominal da ordem de 962,14%, o que comprova a importância do projeto para crescimento das receitas tributárias no município.