A Atividade Agrícola em Campos dos Goytacazes


Os dados divulgados recentemente pelo IBGE sobre a pesquisa agrícola no País em 2008 permitem uma melhor avaliação da agricultura municipal. Campos dos Goytacazes é o maior município da Região Norte Fluminense e desenvolve a atividade numa área equivalente a 57,13% do total da área colhida na região. A atividade ocorre nas modalidades de lavoura temporária e permanente. As culturas de lavoura temporária são apresentadas na figura acima, referente ao período de 2005 a 2008.

Conforme pode ser verificado, ocorre uma trajetória de queda ao longo do período. Em 2006/2005 a área colhida no município encolheu 10,63%, em 2007/2006 ocorreu uma nova redução de 20,10% e em 2008/2007 ocorreu uma leve recuperação de 7,61%, porém a área colhida neste ano ficou 23,16% abaixo da área colhida em 2005.
Conforme apresenta a figura, a cultura de cana-de-açúcar é fundamentalmente representativa na atividade agrícola do município. A sua participação no total da área colhida foi de 98%. Na verdade, do total da área disponível para a cultura temporária, somente 2% foram utilizados para as demais culturas.

Outro indicador importante é o valor da produção. Observa-se também uma trajetória de queda no mesmo período. Em 2006/2005 o valor nominal encolheu 10,13%, em 2007/2006 ocorreu uma recuperação de 10,15%, porém o valor foi inferior a 2005. Em 2008/2007 ocorreu uma forte queda de 43,05%, indicando uma retração na produtividade (valor monetário por hectare colhido). Enquanto a produtividade em 2005 alcançou R$970,24, esse mesmo valor em 2008 chegou a R$ 711,84. Pode-se considerar uma retração na produtividade em 2008/2005, da ordem de 26,63%.

O gráfico a seguir apresenta os indicadores de participação percentual da cultura de cana-de-açúcar no contexto da lavoura temporária no período investigado.













A atividade de cultura permanente é pouco expressiva no município. A área colhida em 2008 foi de 708 hectares, menor do que a área colhida em 2005 no total de 1.094 hectares. Observa-se também uma tendência de queda nessa modalidade de cultura. O valor monetário em 2008 somou R$ 4,2 milhões. As culturas que predominam nessa modalidade, que apresenta uma trajetória de queda, são: banana, coco e o maracujá.
Esse quadro mostra exatamente a realidade agrícola do município. Uma forte dependência à cultura da cana-de-açúcar, cuja organização produtiva é precária o que possibilita baixa produtividade, além de uma condição de extrema fragilidade dos outros processos de cultivo temporário e permanente.
Como conseqüência, o município se destaca como importados de alimentos para atender suas necessidades tanto na esfera dos consumidores familiares, quanto na esfera do consumo das organizações públicas (escolas, hospitais, etc.), fato que contribui para a geração de emprego em outras regiões e fomentando a pobreza no campo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como um discurso descuidado induz a erros grosseiros!

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra