Execução orçamentária no primeiro semestre em São João da Barra

O quadro ao lado apresenta os dados referentes a execução orçamentária do município de São João da Barra no primeiro semestre de 2009. Observa-se uma queda da receita tributária em 56,50% no segundo bimestre em relação ao primeiro bimestre. O terceiro bimestre apresenta um crescimento de 42,97% em relação ao segundo bimestre, porém o valor absoluto da receita tributária ficou muito abaixo do valor do primeiro bimestre. A participação percentual da receita tributária no conjunto das receitas correntes apresenta uma trajetória decrescente no mesmo período. No primeiro bimestre a participação foi de 7,47%, caindo para 6,74% no segundo bimestre e 4,74% no terceiro bimestre. Essa trajetória declinante não é compatível com a movimentação de empresas operando nas obras do complexo portuário do Açu. A participação percentual média de 6,24% da receita tributária nas receitas correntes, no primeiro semestre do ano, é inexpressiva comparativamente ao empreendimento em operação. Um outro dado importante é o gasto com investimento, oriundo das despesas correntes. Da totalidade dessa rubrica, parte vai para investimento, parte vai para custeio. Apesar da verificação do crescimento do percentual de participação do investimento nas despesas correntes: 3,8% no primeiro bimestre, 6,47% no segundo bimestre e 8,06% no terceiro bimestre, o percentual médio de 6,32% no semestre é muito baixo, já que 91,94% das despesas correntes são dirigidos para custeio, ou seja, manutenção da máquina pública. Um nível de investimento público baixo tende a inibir investimentos privados, atrapalha a geração de emprego e interrompe o processo de formação de infraestrutura necessária ao bem estar da população.
Nesse aspecto, o município precisa melhorar o seu processo de gestão pública.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra

As medidas do governo do estado e suas contradições