Análise da Produção Agrícola na Região Norte Fluminense













Levantamento realizado pelo IBGE sobre a produção agrícola no Estado do Rio de janeiro, em 2007, mostra a importância da região Norte Fluminense. Na modalidade de lavoura temporária (abacaxi, arroz, batata, cana-de-açúcar, feijão, mandioca, cebola, etc.), a participação da região no Estado foi de 74,70%, enquanto na modalidade da lavoura permanente (abacate, banana, café, coco, goiaba, laranja, mamão, maracujá, etc.), a participação da região representou 10,78%. Avaliando a produtividade de cada município, através dos indicadores de área plantada, valor monetário da produção e renda gerada por hectare, o município de Conceição de Macabu apresentou o melhor resultado na modalidade lavoura temporária com R$ 3.489,36 por hectare. São João da Barra ficou em segundo lugar com R$ 2.497,98 por hectare e Cardoso Moreira em terceiro lugar com R$ 1.947,69 por hectare.
A produção agrícola da modalidade lavoura permanente apresentou resultados bem maiores do que os da lavoura temporária. Nesta modalidade, o município de São João da Barra se destacou com uma renda por hectare de R$ 11.677,41, seguido por Cardoso Moreira com renda de R$ 8.555,55 e São Francisco de Itabapoana com renda de R$ 6.222,78 por hectare. Nesta modalidade São João da Barra apresentou uma produção de 2.100 mil frutos de goiaba e 1.600 mil frutos de côco, enquanto São Francisco do Itabapoana contabilizou uma produção de 2.370 mil frutos de goiaba, 4.000 mil frutos de coco e 1.032 mil frutos de maracujá.
Analisando os municípios de São João da Barra e São Francisco de Itabapoana, observou-se que São Francisco utilizou uma área de cultivo maior do que a de São João da Barra, porém obteve uma produtividade menor. Este fato pode estar associado a perda no campo ou a baixa qualidade dos produtos com reflexo no preço de comercialização. Coincidentemente, a produtividade deste município na modalidade de lavoura temporária foi a pior entre todos os municípios da região.
É interessante também observar o fraco desempenho de Campos nas duas modalidades. Na lavora temporária o município ocupou o sétimo lugar e na modalidade lavoura permanente ocupou o quarto lugar entre os nove municípios da região.

Os gráficos a seguir mostram a renda em R$ por hectare nas modalidades lavoura temporária e lavoura permanente em 2007.
Renda em R$ na modalidade de lavoura temporária














Renda em R$ na modalidade lavoura permanente















Fonte: IBGE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como um discurso descuidado induz a erros grosseiros!

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra