um novo olhar sobre o setor sucroalcooleiro

Nos últimos dias o setor sucroalcooleiro voltou a ficar em evidencia na mídia regional. Motivo: a antiga preocupação sobre a trajetória de decadência setorial e a insistente reivindicação de ajuda governamental como panacéia para todos os problemas. Uma pergunta seria: é justo usar recursos públicos em uma atividade comprometida por todo tipo vícios, fruto da proteção histórica e do individualismo predatório, enquanto parcela da sociedade desprotegida está excluída do contexto de bem estar? Avaliando o percurso histórico a resposta é não, já que este setor se acomodou a praticas protecionistas e não deu a sua contrapartida. Informações atuais indicam que as unidades produtivas quebram todo tipo de contrato, geram desconfiança e contribui para o aprofundamento da pobreza. Os quatro mil processos trabalhistas em tramitação e a negação de outros direitos dos trabalhadores talvez ajudem a entender a questão.
Quanto a importância do setor, poderíamos dizer que qualquer investimento capitalista é importante para toda a sociedade, pois gera trabalho e salários para os trabalhadores e rendas diversas, como o próprio lucro do empresário. Enfim, todos os atores tem um papel que possibilita benefícios e também doação. Neste caso, será que não é o momento de trocar a reivindicação de apoio governamental por pactuação de interesses? Quero dizer que os interessados devem sentar a mesa com o espírito de se sacrificar pela recuperação do setor. Um novo diagnóstico deve ser buscado, onde os problemas no contexto da produção e da gestão possam se associar ao grave problema relacional que aprofundou em decorrência da exacerbada prática da “Lei do Gerson”. Neste caso, o poder público se constitui num parceiro e não no salvador da pátria, as empresas precisam garantir eficiência e respeito às regras estabelecidas, os sindicatos deve exercer o seu papel real e esquecer o corporativismo improdutivo, a universidade e os centros de pesquisa precisam ser mais pragmáticos e contribuir no processo de inovação do setor e, assim como os outros atores, devem se integrar a um desenho de rede com objetivos claros de natureza coletiva, já que individualmente afloram fragilidades que inviabilizam suas operações. A COAGRO, ainda em processo de construção, pode servir de exemplo para o inicio do entendimento de um novo modo de operação viável para este setor de atividades.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

São João da Barra: uma coletividade oprimida politicamente que dá sinais de reação

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra