O baixo padrão de investimento na Região Norte Fluminense
Investimento em economia é o esforço de aquisições de bens de capital pelas empresas (planta industrial e equipamentos, construção residencial, etc.), os quais irão incrementar a produção futura. Neste caso o setor privado é motivado por indicações do poder público que é responsável pela implementação de políticas governamentais. Assim, é coerente imaginar que paises ou municípios que gerenciam melhor os seus recursos orçamentários consigam estruturar um ambiente mais saudável para o investimento privado. Um alto nível de investimento, por sua vez, garante mais emprego, mais renda e mais crescimento econômico.
Investigando o padrão da despesa de investimento dos municípios da região norte fluminense em 2007, observa-se que esses municípios não parecem muito preocupados com o futuro, já que consomem quase todo a receita orçamentária com o custeio imediato, ou seja, com as despesas rotineiras de manutenção da máquina pública. Isso é um problema grave que afetará as próximas gerações.
Dentre os nove municípios da região, pode-se avaliar a performance de sete já que dois (Campos dos Goytacazes e Conceição de Macabú), não disponibilizaram os dados para a base da Secretaria do Tesoura Nacional.


Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional

Conforme podemos verificar os municípios destinam muito pouco para investimento, em função da super estrutura normalmente implantada. Desta maneira a parcela destinada para o dispêndio é alta. Especialmente, pode se observar que a péssima colocação do município de São Francisco do Itabapoana no índice de desenvolvimento humano pode ter como uma das causas o baixo índice de investimento, conforme mostrado no quadro. Em termos relativos, o município investe próximo da metade do que investe o município de Quissamã que no contexto do Estado vem ganhando status de contar com bons processos de gestão. Os municípios de Cardoso e Carapebus também apresentaram índices muito fracos e Macaé, pela sua condição de forte arrecadador de royalties está devendo a sua sociedade uma condição mais de digna de bens estar social.

Comentários

  1. Prof. Alcimar,

    Acredito que já haja estudos nesse sentido, mas se não há, a cidade de Quissamã, tem um belo modelo de investimentos públicos, que mostra resultados nas análises aqui exibidas.

    É um bom motivo para um trabalho acadêmico.

    Em 2006, conheci um professor que nos contou um pouco sobre a visão de investimentos de Quissamã. Apesar de ter me encantando, não acreditava tanto, porque acreditar no poder público é um tanto quanto difícil.

    Porém, Quissamã, mostrou-me o contrário e deve ser um caso explorado nos meios acadêmicos e também na troca de experiência com outros municípios. Nâo acha?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

São João da Barra: uma coletividade oprimida politicamente que dá sinais de reação

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra