ICMS verde como alternativa de captação de recursos nos municípios

A dificuldade no manejo da informação tem representado um limitador para o desenvolvimento dos municípios da região norte fluminense. Esses municípios não têm observado as oportunidades potenciais do esforço de descentralização dos governos Federal e Estadual. Inversamente ao que muitos governantes pensam, as oportunidades são cada vez maiores para o desenvolvimento de políticas endógenas de desenvolvimento local. Neste artigo vamos discutir especificamente a oportunidade do município implementar uma política de gestão sustentável a partir dos recursos do ICMS verde.

Conceitualmente, trata-se de uma ferramenta econômica inovadora, criada com o objetivo de incentivar a proteção ao ambiente, a partir do estabelecimento de critérios de conservação ambiental. A fonte de recursos é Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cuja base de distribuição aos municípios se da segundo a Constituição Federal, respeitando a seguinte divisão: 25% da arrecadação são repassados aos municípios, sendo que 75% do mesmo provem do valor adicionado de cada município e 25% respeita o critério populacional.

A lei do ICMS Verde foi criada em 2007 e entrou em vigor em 2009 para incentivar os municípios a proteger o ambiente, garantindo benefícios financeiros. O repasse para 2009 equivale a R$ 150 milhões, podendo chegar a R$ 300 milhões em 2011. Desses recursos, 45% são destinados para unidade de conservação, reservas particulares e áreas de proteção permanentes; 30% são destinados para a qualidade da água eJustificar 25% são destinados para a administração de resíduos sólidos.

Os critérios definitivos foram elaborados pelo CIDE e, segundo os mesmos, quatorze cidades foram excluídas desse benefício em função da baixa pontuação. O município de São João da Barra conseguiu a pior classificação no Estado, enquanto Cachoeira de Macacú obteve o primeiro lugar no ranking do Estado, com o índice: 5,171188. Veja a posição dos municípios da Região Norte Fluminense:










Fonte: Centro de Informações e Dados – CIDE

Como vimos, os municípios precisam profissionalizar suas ações de forma a buscar a sua própria sustentabilidade financeira, já que a dependência de transferências institucionais implica em insegurança e, muitas vezes, descontinuidade de projetos importantes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SITUAÇÃO DA PECUÁRIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EM 2012

Porto do Açu em alta e deterioração do comércio em São João da Barra

As medidas do governo do estado e suas contradições